Coluna Boa Terra (Por Valdemir Santana) - Edição do dia 18/11

Estrelas da avantgarde music invadem mainstream do verão baiano


Tribuna da Bahia, Salvador
18/11/2017 12:10 | Atualizado há 1 dia, 22 horas e 11 minutos

   
Foto: Divulgação

A vanguarda da música independente internacional chega a Salvador com uma pegada singular da diáspora africana. O “CMC Festival” que começa sexta feira, dia 2, traz a rebeldia indie que faz sucesso na Europa e nas Américas, e com isto nem precisa especular. Consolida um evento capaz de abalar, e muito, o mainstream das temporadas de verão que se vê na cidade. 

Em vez da chatice de uma agenda repetitiva, agora são músicos do Canadá, da Alemanha, da Suíça e do Brasil que ocupam o singular “Museu Nacional da Cultura Afro-Brasileira”, instalado naquele fabuloso palácio em estilo belle èpoque, do centro. O “Ciclo de Música Contemporânea” inclui estrelas como o baterista canadense Harris Eisenstadt que toca na abertura com os instrumentistas do “Bahia Ensemble”. 

E também outra grande novidade que é a incrível cantora alemã Ute Wassermann, festejadíssima no show business indie de Londres. Faz sucesso até na Ásia com uma voz que desfia a escala do canto dos pássaros. O elo comum do elenco é valorizar a diáspora africana na Europa e nas Américas

De carro novo e exposição em pauta 

Mais um grande talento da fotografia baiana, o emblemático Akira Cravo, está na agenda da “Gabriel Wickbold Studio & Gallery”, de São Paulo. Promete fazer exposição em fevereiro. Como a coluna noticiou, a galeria segue a tendência européia dos artist run spaces, e abriga até o inicio de dezembro a exposição "Geometrias Insuspeitas do Cotidiano”, de outro baiano, o badalado Lucas Ferras que assina os trabalhos como Kiolo.

Quanto a Akira Cravo, artista de uma dinastia baiana com três gerações de sucesso, o momento é para curtir o novo carro de passeio. Não sai de dentro do bonito “Mitsubishi” e contou nas redes sociais que desde garotinho adora automobilismo. “Com um ano de idade ou menos já queria ir para o carro de meu pai brincar, chorava muito se não fosse, pedia para dirigir e brincar com os botões” escreveu, se referindo ao pai, o fotografo de fama internacional Mario Cravo Neto que morreu em 2009.

Olhar baiano na elegante rive gouche do Sena 

Quem faz um circuito cultural de primeiro nível na Europa é o museólogo e empresário baiano Heitor Reis. Ele dirigiu e revolucionou o “Museu de Arte Moderna da Bahia”, mas reforçou a importância no cenário nacional como o criador e gestor do poderoso “BGA”, primeiro fundo de investimento em arte no Brasil. Agora alterou a rota habitual de temporada no Reino Unido, com direito a alugar casa de luxo em Londres, e está revendo a cena artsy de Paris. 

A viagem é em família, tanto que Heitor passou a tarde de ontem na rive gauche do Sena, clicando os tesouros do “Musée d´Orsy” que é coalhado de trabalhos assinados por Edgar Degas, Vicent van Gogh, e Gustav Klimt. E, enquanto isso o herdeiro Marcelinho Tourinho Reis, que é afilhado do príncipe dom Joãozinho de Orleans e Bragança fazia a sua própria seleção de imagens para as redes sociais.


Compartilhe       

 


TRIBUNA VIRTUAL



 

Notícias Relacionadas