Ninguém vai deter Salvador no caminho do desenvolvimento

Henrique Carballal


Tribuna da Bahia, Salvador
18/11/2017 08:43

   

Salvador não tem mais como retroceder no caminho do desenvolvimento, promovido pelo prefeito ACM Neto, nos últimos cinco anos. O Salvador 360, maior programa de desenvolvimento da história da cidade, é uma prova do arrojo e do comprometimento desse governo, do qual sou líder na Câmara Municipal, em fomentar o crescimento social e econômico de nossa capital.

De acordo com o programa, são R$ 3 bilhões de investimentos em modernização da infraestrutura, na requalificação do Centro Histórico e em ações que irão simplificar a vida das pessoas, além de atrair empresas, gerar empregos e fortalecer a economia informal. Através do Salvador 360, a capital baiana também ganhará um hub digital e um polo de economia criativa.

Na última terça-feira (14), a Câmara de Vereadores aprovou uma matéria importante para Salvador continuar trilhando o caminho do desenvolvimento. Trata-se do Projeto de Lei 520/17, que autoriza o Poder Executivo a contrair um empréstimo de até R$ 75 milhões, junto à Caixa Econômica Federal, sendo R$ 63 milhões para conclusão do Hospital Municipal e R$ 12 milhões para requalificação de ruas no Centro Histórico. 

No próximo dia 22, a Câmara votará mais uma matéria a favor do desenvolvimento de nossa cidade, o Projeto de Lei 506/17, que autoriza a Prefeitura a contrair outro empréstimo. Desta vez, junto ao Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF). O montante de até U$ 60,7 milhões será destinado ao Programa de Requalificação de Salvador (Proquali).

Ressalte-se que hoje a capacidade de endividamento da Prefeitura de Salvador é de R$ 6,3 bilhões (cerca de três vezes o valor da dívida já contratada), além desse empréstimo cuja autorização será apreciada pela Câmara. Tudo isso é resultado de um excelente trabalho iniciado ainda na primeira gestão do prefeito ACM Neto, por meio do saneamento das contas públicas, do ajuste fiscal e de um planejamento direcionado para programas estruturantes, econômicos e sociais.

É bom que se diga também que esses empréstimos não vão, de hipótese alguma, comprometer as receitas futuras da Prefeitura. Até porque, a Lei de Responsabilidade Fiscal limita esse gasto em 11,5% da receita corrente líquida do município. No final de 2016, a administração reduziu o índice, que já foi de 5,9% em 2012, para 2,2%. Em agosto passado, esse número chegou a 1,2%.

Aprovar, portanto, a autorização é fundamental para as perspectivas futuras de crescimento da cidade. Já votar contra esse projeto é conspirar contra o futuro de milhares de soteropolitanos, que percebem, no dia a dia, que o futuro para Salvador já começou e que ninguém vai conseguir detê-lo.

Henrique Carballal (PV) é líder do governo na Câmara Municipal de Salvador


Compartilhe       

 


TRIBUNA VIRTUAL