Cármen nega pedido de Mariz para julgar suspeição de Janot e nova denúncia juntos

Mariz argumentou que o escopo das duas questões é o mesmo e que, por isso, elas deviam ser julgadas conjuntamente


Tribuna da Bahia, Salvador
13/09/2017 15:40 | Atualizado há 9 dias, 9 horas e 11 minutos

   
Foto: André Dusek/Estadão

A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, negou nesta quarta-feira, 13, pedido feito pela defesa do presidente Michel Temer para que o pleno da Corte julgasse conjuntamente as duas questões de ordem feita por ela: uma pedindo a suspeição do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e a outra pedindo a suspensão de eventual segunda denúncia apresentada pela PGR contra o presidente da República.

O pedido foi feito pelo advogado de Temer, Antônio Cláudio Mariz, logo no início da sessão. Ele argumentou que o escopo das duas questões é o mesmo e que, por isso, elas deviam ser julgadas conjuntamente. "Acolhida a suspeição (de Janot), não haverá condições de oferecimento de nova denúncia por parte do senhor procurador-Geral da República. (...) Entendo que, talvez pudéssemos fazer julgamento conjunto, porque, se a questão de ordem for acolhida, desnecessária será análise da outra", disse

A presidente da Corte, no entanto, negou o pedido. Argumentou que as questões foram postas pelo relator do caso, ministro Luis Edson Fachin separadamente e que, por isso, assim devem ser analisadas.


Compartilhe       

 


TRIBUNA VIRTUAL



 

Notícias Relacionadas