Câmara vota empréstimo de R$75 mi do Executivo

Segundo Carballal (PV), a minoria “está conspirando contra a cidade”, mas lembrou que o prefeito tem votos suficientes para aprovar a matéria


Tribuna da Bahia, Salvador
14/11/2017 07:54 | Atualizado há 6 dias, 2 horas e 25 minutos

   
Foto: Reprodução/Informe Baiano

Por Romulo Faro

Apesar da posição contrária da bancada de oposição, a Câmara Municipal de Salvador deve aprovar na sessão ordinária de hoje o projeto de lei por meio do qual o prefeito ACM Neto (DEM) pede autorização para contrair um empréstimo de R$ 75 milhões, dos quais R$ 63 milhões são para construção do Hospital Municipal. Em entrevista à Tribuna, o líder da bancada do governo no Legislativo, vereador Henrique Carballal (PV), disse que a minoria “está conspirando contra a cidade”, mas lembrou que o prefeito tem votos suficientes para aprovar a matéria somente com os membros de sua base na Casa.

“O governador Rui Costa fica reclamando do empréstimo do Banco do Brasil que não sai, e diz que Neto botou o dedo em cima, parecendo que o prefeito baixou um orixá e travou o empréstimo. Agora, o que a oposição na Câmara faz que é perseguição. Trindade (líder da minoria na Câmara) alega a questão dos terrenos. Mas tem um problema: os terrenos foram desafetados, mas nem todos foram vendidos ainda. Ele (Trindade) ou o governador Rui Costa pode comprar um terreno e construir uma casa de praia. Esse discurso da oposição é falacioso”, rebateu Carballal. 

O líder governista disse que espera “bom senso” dos parlamentares da minoria para votar a favor do projeto, mas afirma que “o temor é zero” de a proposta não ser aprovada em plenário hoje. “O temor é zero, porque temos maioria. Mas o fato nem e esse. A cidade não irá compreender quem ficar contra um projeto para construção de um hospital para o povo. Eu espero que nem todos da bancada da oposição cometam um erro desse. A prefeitura conseguiu voltar a ter capacidade de endividamento depois de muitos anos, e a oposição está simplesmente conspirando contra a cidade”, afirmou o líder do governo. 

Em entrevista coletiva ontem o prefeito ACM Neto rebateu o argumento da oposição de que ele se contradiz ao afirmar que tem R$ 1,5 bilhão em caixa e ao mesmo tempo pede empréstimo para obras. Ele argumentou que o dinheiro que tem em caixa é usado para pagamento da folha de pessoal. “O fato de a prefeitura ter dinheiro em caixa não significa que esse dinheiro será destinado apenas para investimento. O dinheiro que temos em caixa é para pagar pessoal, 13º no final do ano, o custeio da prefeitura. Temos hoje o terceiro melhor índice de gestão fiscal do país, e seremos a primeira. Salvador tem capacidade de endividamento e pagamento. Nossa capacidade é de mais de R$ 6 bilhões. O recurso do empréstimo é um recurso livre”, afirmou ACM Neto. 

“Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Uma coisa é o que temos em caixa, a outra são os financiamentos aos quais estamos nos credenciando. Salvador passou 14 anos sem conseguir assinar uma operação de crédito. Chegamos à prefeitura e conseguimos assinar com o BNDES, já assinamos com a Caixa, com o BID, que foi a primeira operação internacional. Pretendemos, até 2020, viabilizar financiamento de até R$ 2 bilhões”, completou o democrata.

Leia mais na edição impressa do jornal ou na Tribuna Virtual.


Compartilhe       

 


TRIBUNA VIRTUAL



 

Notícias Relacionadas