Verão foi embora, mas preço nas praias caem muito pouco

A praia continua sendo a melhor diversão, mas os preços altos das bebidas e petiscos assustam


Tribuna da Bahia, Salvador
16/04/2018 10:50 | Atualizado há 6 dias, 5 horas e 54 minutos

   
Foto: Reginaldo Ipê

Por Jordânia Freitas

Estamos no outono, mas em Salvador parece que é verão o ano todo. Com as altas temperaturas, a saída é recorrer às praias para se refrescar. Porém, os preços altos das bebidas e petiscos têm gerado reclamações dos banhistas, que preferem consumir menos ou levar os produtos de casa. No Porto da Barra, umas das praias mais famosas da capital, baianos e turistas precisam desembolsar ainda mais, pois se paga até para sentar no local. O aluguel da cadeira custa R$5, enquanto o sombreiro sai por R$15. 

Por esse motivo, tem gente que prefere levar esses itens de casa ou simplesmente estender uma canga ou toalha no chão. Difícil é encontrar espaço para fazer isso, já que os ambulantes tomam praticamente toda a faixa de areia com os objetos para aluguel. 

A dona de casa Tatiane Leão, 35 anos, chegou ao local ontem já preparada para gastar o mínimo possível. Na companhia do marido, da filha pequena e de uma amiga, ela carregava consigo cadeiras, guarda-sol, além de um cooler com água, cerveja e suco. “O custo fica bem mais em conta. A gente só pega os petiscos, porque água e cerveja aqui é um absurdo e ainda cobram cadeira, ia ficar pesado”, disse.

O preço da cerveja de 473 ml, também chamada de latão, custa entre R$6 e R$7 no Porto da Barra. Já a garrafa de água sai por R$3, enquanto a água de coco vale R$4. Quem quiser beber algo mais elaborado, há opções de roscas e caipirinha, vendidas, em média, por R$15 e R$12, respectivamente. Almoçar por lá pode dobrar o valor da conta. O peixe frito, acompanhado de salada, arroz e farofa serve quatro pessoas por R$70 a R$80.

Diante de valores tão altos, ambulantes confirmam a queda nas vendas. “Caiu 100% as vendas de bebidas aqui e petisco também não está saindo, porque as pessoas, às vezes, já vêm de barriga cheia só curtir a praia mesmo e tomar uma água mineral ou água de coco. Só da cadeira e do sombreiro que dá pra tirar alguma coisa”, revelou o vendedor Ademário dos Santos, mais conhecido como secretário.

“Quando a gente realmente quer curtir e tomar uma cervejinha ou refrigerante tem que trazer de casa, porque eles cobram muito caro aqui. Uma cerveja aqui é R$6 ou R$7 reais e quando saí daqui, logo ai na frente é R$2,50 ou R$3”, contou Marcelo Andrade, que frequenta a praia regularmente com a família e costuma negociar sempre os valores de sombreiro e cadeira com o mesmo vendedor para não encarecer o passeio.

Enquanto na areia os preços desagradam, basta pisar no calçadão para comprar comidas e bebidas com valores mais atrativos. Para se ter uma ideia, a água de coco custa R$2,50 em barracas próximas à pista. Já a água mineral sai por R$2 e a cerveja R$3.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas