Por:Adilson Fonseca

Artigo: Vertigem de ficção


Tribuna da Bahia, Salvador
21/01/2020 23:53

   

Quando analisado o significado da palavra Documentário, vemos que se trata de uma produção artística, normalmente um filme, em que seus produtores e diretores, assumem o compromisso de mostrar a realidade dos fatos, mesmo que sob um direcionamento narrativo. Pode não representar a realidade ipsis litteris, pois aborda os fatos dentro de uma certa subjetividade, o que lhe dá um caráter parcial do que se exibem, mas não os distorce, pois trata-se de documentos.

Mas independente de como é narrado, o documentário não pode mudar a realidade dos fatos, e mesmo com uma visão parcial do mundo em foco, não tem como fugir do objetivo de sustentar-se por acontecimentos reais. Mesmo que não espelhe na íntegra a realidade a ser abordada, trata efetivamente sobre aquilo que ocorreu, antes ou durante as filmagens, e não daquilo que poderia ou se quer que tenha acontecido.

Depois de tanto entusiasmo dos movimentos sociais de esquerda, com o documentário “Democracia em Vertigem”, dirigido e produzido por Petra Costa, nada mais correto que buscar uma análise isenta, com base em documento (daí a razão do nome ser documentário e não apenas um filme), Mas o que ficou foi uma sensação de total vertigem. Não do filme em si, mas do confronto entre o que é exibido na tela, com a realidade que foi vivida por milhões de brasileiros em 2016, com os momentos antes e depois do impeachment da ex-presidente Dilma Roussef.

Sem adentrar no mérito da técnica cinematográfica, dentro das normas que regem o cinema, as duas horas de exibição soaram mais como um apelo ideológico para que a realidade, vista e vivida por milhões de brasileiros, assumisse um desfecho diferente do que foi. É como vermos apenas um lado da moeda, aquele que queremos que seja mostrado, ignorando ou mostrando an passant, a outra face, para que ela não retrate de forma mais fiel essa mesma moeda.

Alguns equívocos são tão notórios, que só mesmo quem não estava no Brasil, e não acompanhou passo a passo os movimentos antes, durante e depois do apeamento do poder do Partido dos Trabalhadores, pode dizer que o filme-documentário espelha uma realidade dos brasileiros em 2016. E nesse direcionamento de visão, a cineasta deixa claro o seu posicionamento ideológico, em detrimento da verdade dos fatos.

E comete equívocos políticos-jurídicos que só reforçam seu viés ideológico, ao afirmar que a ex-presidente Dilma Roussef foi deposta por um golpe. Na verdade, o processo do impeachment foi democrático, pois seguiu todo o rito jurídico, tanto no Supremo Tribunal Federal (STF), como no Congresso. Da mesma forma que a prisão do ex-presidente Lula seguiu os mesmos ritos jurídicos, com amplo direito de defesa.

Numa catarse ideológica, cria-se o mito em torno do ex-presidente Lula, dando a entender que ele é um injustiçado político, quando na verdade ele foi condenado em dois processos (mesmo estando sub judice por decisão recente do Supremo Tribunal Federal) e ainda é réu em mais três processos. E contra ele pesam dezenas de acusações, extraídas de depoimentos e delações premiadas, inclusive de seus antigos colaboradores, como o seu ex-ministro e homem de confiança, Antonio Pallocci.

Na apologia que faz ao ex-presidente Lula, em que a figura da ex-presidente Dilma Roussef, parece ser apenas um apêndice para dar suporte à narrativa, o documentário não dá a dimensão do escândalo do Mensalão e do seu congênere muito mais robusto, o Petrolão. São tratados como meras acusações, em que o PT e o seu líder supremo, Lula, são vítimas de tramas. Figuras como Roberto Jefferson, o ex-presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa, e os bilhões desviados pela corrupção, não são abordados.

Há, contudo, quem aposte que o Brasil finalmente terá assento no seleto mundo de Hollywood, com o documentário Democracia em Vertigem. Nada é impossível. Mas observando bem a narrativa, a descrição poderia ser acrescida do adjetivo de Documentário de Ficção.


* Adilson Fonseca é Jornalista e escreve neste espaço sempre às quartas-feiras (adilson.0804@gmail.com)

Compartilhe       

 





 

Mais de

 

COLUNISTAS | 21/01/2020 11:03 - Há 1 dia, 5 horas e 45 minutos

PONTO DE VISTA: A Democracia participativa de Augusto Aras

Por: Luiz Holanda


COLUNISTAS | 21/01/2020 06:40 - Há 1 dia, 10 horas e 8 minutos

Artigo: Roberto Alvin quis ser mais real que o rei

Por: Paulo Roberto Sampaio


COLUNISTAS | 20/01/2020 06:40 - Há 2 dias, 10 horas e 8 minutos

Artigo: O choro de ACM Neto

Por: Victo Pinto


COLUNISTAS | 19/01/2020 07:00 - Há 3 dias, 9 horas e 48 minutos

Artigo: Drones sobre nossa cabeça

Por: Jolivaldo Freitas

COLUNISTAS

COLUNISTAS | 17/01/2020 10:40 - Há 5 dias, 6 horas e 7 minutos

Artigo: Bruno convida Vovô do Ilê para a vice

Por: Osvaldo Lyra


COLUNISTAS | 16/01/2020 09:42 - Há 6 dias, 7 horas e 5 minutos

Ponto de vista: Utopia e realidade

Por: Joaci Goes


COLUNISTAS | 15/01/2020 06:40 - Há 7 dias, 10 horas e 8 minutos

ARTIGO: O Irã desnudado

Por: Adilson Fonseca


COLUNISTAS | 14/01/2020 10:26 - Há 8 dias, 6 horas e 21 minutos

PONTO DE VISTA: A nova fisionomia do TJ/BA

Por: Luiz Holanda


COLUNISTAS | 14/01/2020 06:40 - Há 8 dias, 10 horas e 8 minutos

ARTIGO: Vem aí mais uma galinha gorda com o nosso dinheirinho

Por: Paulo Roberto Sampaio