Dória e Aécio brigam, Leite afaga ACM Neto (Braga ameaça)

Por Vitor Hugo Soares*


Tribuna da Bahia, Salvador
23/07/2021 21:58

   

A política nacional segue seu curso em tempo sombrio de pandemia. Enquanto o ministro da Defesa, general Braga Neto, tenta solapar os alicerces democráticos, com ameaças levadas vias travessas ao presidente da Câmara, Artur Lira, de que “sem o voto impresso não haverá eleições em 2022 no Brasil”. O jornal Estado de S. Paulo cumpre o seu papel de informar a sociedade sobre a trama armada nos desvãos do Planalto, de fundar, em pleno século XXI, uma nova “República das Bananas” às margens do Lago Paranoá, quando mal começa o recesso no Legislativo e Judiciário.  

E segue o corso: entre tapas verbais do governador de São Paulo, João Dória e o deputado Aécio Neves, em contraste com afagos virtuais e presenciais do governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), no primo partidário, ACM Neto, presidente nacional do DEM, ex-prefeito de Salvador e postulante já em campanha ao governo da Bahia. Assim os tucanos tentam abrir caminho para emplacar o nome de um candidato – na terceira via, entre Lula e Bolsonaro – ao comando da República nas eleições do ano que vem.

Estes fatos esquentaram, a ponto de causar incêndios, o que se previa frio ou morno mês de julho. O atropelo de Braga Neto queima como batata quente em Brasília. As desavenças de Dória e Aécio, somadas à viagem de Leite ao Nordeste, animaram o circuito São Paulo, Belo Horizonte, Porto alegre e Salvador.

Diga-se a bem dos fatos: desde o surgimento do nome de  Dória como postulante do PSDB, o deputado mineiro tornou-se incômoda pedra no sapato do governador paulista, com críticas ácidas e insinuações laterais à “pouca experiência” e, principalmente, aos laços que vincularam Doria ao então candidato Jair Bolsonaro, para vencer as eleições paulistas.

No chumbo grosso trocado, o governador acusa o parlamentar   "de gostar mesmo é de fazer conchavos com o Centrão para prejudicar o Brasil". Neves deu troco ferino: afirmou que Dória nunca foi de fato do PSDB e "apenas usou o partido para seus projetos pessoais, como quer fazer mais uma vez”, referindo-se à possível candidatura do paulista à presidência da República, “além de humilhar o ex-governador Geraldo Alckmin”. O lance mais drástico, porém, veio de Dória: pediu a expulsão do neto de Tancredo do PSDB. Xeque.

Agora um olhar sobre a Bahia onde, semana passada, desembarcou o tucano Eduardo Leite. Motivo da viagem: uma conversa com o neto de ACM. O encontro se deu num jantar, sexta-feira, 16, no histórico Corredor da Vitória, no cinematográfico apartamento do empresário João Gualberto, ex- prefeito de Mata de São João. Participaram também o atual prefeito de Salvador, Bruno Reis e o deputado federal Adolfo Viana (PSDB). O governador gaúcho deu ainda longa entrevista, na Radio Metrópole, ao apresentador e ex-prefeito Mario Kértez. Ficou a impressão de que Leite aposta em seu estilo conciliador, seu êxito como gestor e sua juventude para ser o nome do PSDB para disputar a Presidência da República. Via redes sociais, ACM Neto falou do seu "prazer ao receber um dos grandes nomes da nova geração de pol&iacut e;ticos do Brasil. Fico muito esperançoso no futuro, por ver que a nossa geração tem bons exemplos de integridade, liderança e gestão pública. Com diálogo podemos construir um caminho"... Precisa desenhar? Tudo bem diferente das bravatas de Braga Neto e das arrelias Dória x Aécio. O resto a conferir.

*Vitor Hugo Soares é jornalista, editor do site blog Bahia em Pauta. E-mail: vitors.h@uol.com.br


Compartilhe       

 





 

Mais de Vitor Hugo Soares