Raio Laser - 12/9 - Apoio

Em Salvador ontem para lançar seu livro de memórias, o ex-ministro José Dirceu elogiou o fato de o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, ter sido ungido candidato do PT à Presidência


Tribuna da Bahia, Salvador
12/09/2018 09:29 | Atualizado há 27 dias, 21 horas e 32 minutos

   
Foto: Reprodução

Em Salvador ontem para lançar seu livro de memórias, o ex-ministro José Dirceu elogiou o fato de o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, ter sido ungido candidato do PT à Presidência da República momentos antes de ter concedido uma coletiva na sede do Sindpetro para falar sobre política e a publicação de sua autoria, que lança hoje no final da tarde, no Centro Cultural da Câmara de Salvador. Segundo Dirceu, Haddad pode efetivamente ganhar a eleição, governar e se tornar um grande presidente do Brasil, por ter experiência, firmeza e propostas para o país. O fato de ter perdido a reeleição de prefeito em São Paulo não o enfraque, na avaliação de Dirceu. "Quem não perde eleição?", questionou.

Impactos

A pesquisa Ibope divulgada ontem sobre a sucessão presidencial mudou a avaliação que se tornara lugar comum depois de levantamento semelhante feito pelo Datafolha, no dia anterior, segundo o qual o atentado contra o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) não tivera praticamente qualquer impacto sobre a preferência do eleitorado com relação a ele. Pelo contrário, o Ibope mostrou que houve comoção e que, ainda que timidamente, ela teve impacto sobre seu nome no eleitorado.

Distribuiu

A campanha do governador Rui Costa (PT) não perdeu tempo de distribuir trecho de entrevista concedida pelo candidato do DEM ao governo, José Ronaldo, à TV Bahia, na qual ele diz que buscará se inspirar em projetos implantados na gestão de Geraldo Alckmin em São Paulo para governar a Bahia. Na avaliação de petistas, a entrevistadora encostou Ronaldo na parede.

Alerta

O candidato a vice na chapa de Marina Silva (Rede), Eduardo Jorge, fez um alerta ontem com que vários analistas políticos concordaram. Segundo ele, quem resolver votar em Jair Bolsonaro contra o PT vai acabar dando a vitória ao candidato dos petistas à Presidência da República, Fernando Haddad. Simplesmente porque, como todos esperam, Haddad vai crescer quando ficar claro que é o nome de Lula.

Desigualdade

O coordenador do Centro de Políticas Públicas do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), Naercio Menezes Filho, ressaltou a importância para a redução da desigualdade no país do Benefício de Prestação Continuada (BPC), criado pela Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) de autoria do candidato ao Senado, Jutahy Magalhães Junior (PSDB). Atualmente, mais de 4 milhões de idosos carentes e pessoas com deficiência física são beneficiadas pelo programa e, em 2017, teve um orçamento 70% maior que o do Bolsa Família.

Sem foro 

Beto Richa (PSDB) resolveu deixar o governo do Paraná para candidatar-se ao Senado. Resultado: foi preso ontem na “Operação Piloto”, da Polícia Federal e do MPF. Com isso, a candidatura do tucano Geraldo Alckmin sofre abalos e a tese petista de que “os tucanos são farinha do mesmo saco” se fortalece.



Leia a Coluna completa na edição impressa do jornal ou na Tribuna Virtual (clicando na capa do jornal que está na home do site). 

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas