Ativistas contra a violência sexual vencem o Nobel da Paz

O anúncio confirma a ascensão do tema da violência contra as mulheres e da igualdade de gêneros como uma das preocupações maiores da época contemporânea


Tribuna da Bahia, Salvador
05/10/2018 10:26 | Atualizado há 4 dias, 20 horas e 30 minutos

   
Foto: Reprodução

Dois ativistas, um homem e uma mulher, que lutam contra a violência sexual como arma de guerra e instrumento de submissão social, foram escolhidos pela academia norueguesa como os vencedores do Prêmio Nobel da Paz em 2018. 

O anúncio foi feito nessa sexta-feira (5), em Oslo, na Noruega, e confirma a ascensão do tema da violência contra as mulheres e da igualdade de gêneros como uma das preocupações maiores da época contemporânea. 

Os escolhidos foram o médico congolês Denis Mukwege e Nadia Murad, mulher da minoria yazide transformada em escrava sexual pelo grupo Estado Islâmico durante a ocupação de territórios da Síria e do Iraque pelo movimento terrorista muçulmano. 

Ambos foram recompensados "por seus esforços para colocar fim ao emprego das violências sexuais como arma de guerra", segundo o comunicado do júri de Oslo. 

A distinção de dois ativistas da questão de gênero mostra a força da mobilização internacional gerada desde 2017 em torno do tema da violência cometida contra as mulheres. 

Por trás da escolha da Academia, estão também a campanha #MeToo, que trouxe à tona a extensão do problema das agressões sexuais e do assédio às mulheres, assim como uma reação do mundo acadêmico nórdico ao escândalo que abalou a própria credibilidade do Nobel, e que envolveu casos de omissão de membros da academia sueca responsável pela entrega do Prêmio Nobel de Literatura - cancelado em sua edição de 2018.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas