Raio Laser - 7/12 - Antes tarde

O ex-candidato do DEM ao governo, José Ronaldo, enviou uma nota ontem à coluna dizendo considerar estranha a crítica atribuída a deputados de oposição segundo a qual ele não teria cobrado do governador Rui Costa uma explicação sobre a real situação financ


Tribuna da Bahia, Salvador
07/12/2018 11:09 | Atualizado há 8 dias, 16 horas e 51 minutos

   
Foto: SAMUEL BARBOSA

O ex-candidato do DEM ao governo, José Ronaldo, enviou uma nota ontem à coluna dizendo considerar estranha a crítica atribuída a deputados de oposição segundo a qual ele não teria cobrado do governador Rui Costa uma explicação sobre a real situação financeira do Estado durante a campanha. "Durante toda a campanha eu falei do caos da administração que causaram (sic) a fila da morte na Central de Regulação", disse Ronaldo, que preferiu ainda atacar as fontes da coluna, dizendo que ou estão desinformadas ou agiram de má-fé. Segundo o ex-prefeito de Feira, toda a gestão petista foi um estelionato, assim como a campanha. "Falei de muitos pontos que agora mostram-se comprovados: o governo foi irresponsável em seus gastos". O ex-candidato do DEM ressaltou ainda que a sua candidatura serviu para unir o partido e a oposição ao governo petista. "Se a oposição agora tem força para apontar o estelionato eleitoral de Rui Costa foi porque esteve unida em minha candidatura ao governo", avaliou o ex-prefeito de Feira.

Apelou

A propósito da reação de ministros contra o fato de um advogado ter afirmado que sentia vergonha do STF, a jornalista Mariliz Pereira Jorge, da Folha, resolveu logo apelar e escrever um texto cujo título é exatamente "O Supremo Tribunal Federal é uma vergonha". O artigo teve repercussão enorme, ainda mais sob a onda do novo governo Jair Bolsonaro, do PSL.

Basta

Aliás, a propósito da forte reação dos ministros contra o ataque ao STF não teve quem não exagerasse nas críticas aos ministros e lembrasse até a frase do deputado federal eleito Eduardo Bolsonaro, filho do presidente, que disse que bastaria um cabo e um soldado para fechar a Corte. Pelo visto, os ministros não estão entendendo a raiva de que são alvo.

Em rede

Por falar no STF, um jornalista baiano acostumado a monitorar as redes sociais contou ontem à coluna estar impressionado com a quantidade de mensagens contra os ministros, especialmente Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, pivô da mais recente confusão da Corte, ao pedir que a Polícia Federal detivesse o advogado que disse sentir vergonha do STF.

Direito

Deputada estadual eleita por São Paulo, Janaína Pascoal fez questão de defender o direito de crítica ao STF, cujo desgaste é de conhecimento de todos. Afirmou que não é crime ninguém dizer que sente vergonha da Corte. Pascoal foi co-autora do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), posição a partir da qual ganhou grande notoriedade no país.

Reza forte

A propósito da notícia de que o deputado federal Irmão Lázaro (PSC), que perdeu a eleição para o Senado, foi sido visto abraçado em oração a Magno Malta (ES), que não conseguiu se reeleger ao Senado, pedindo supostamente, segundo deputados, para amolecer o coração do presidente eleito Jair Bolsonaro a fim de que ele indique o senador para um ministério, um deles contou à coluna, às gargalhadas, que seria melhor os dois rezarem ao pé do caboclo.


Leia a Coluna completa na edição impressa do jornal ou na Tribuna Virtual (clicando na capa do jornal que está na home do site).


Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas