Rui é alvo de críticas de Ciro por apoio “camuflado” à reforma

O ex-ministro criticou o governador da Bahia devido 15 dos 29 integrantes da base petista ter votado a favor da reforma


Tribuna da Bahia, Salvador
12/07/2019 08:17 | Atualizado há 11 dias, 13 horas e 17 minutos

   
Foto: Foto reprodução/Revista Veja

Por Rodrigo Daniel Silva

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), foi, ontem, alvo de críticas pelo apoio “camuflado” à reforma da Previdência, que foi enviada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) e aprovada pela Câmara dos Deputados. Dos 29 integrantes da base petista, 15 votaram a favor da proposta. “Como é que na Bahia dá uma maioria assim, governada pelo PT?, questionou o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), entrevista à Rádio Guaíba. “Aí caímos na coisa mais escrota, desculpe a expressão, mais calhorda, mais inconfiável, que é você falar uma coisa em cima da mesa e fazer outra por trás dos panos. Ou seja, está flagrante que os governadores do PT atuaram dura e pesadamente em favor dessa aberração, enquanto as bancadas, em uníssono, votaram contra”, emendou o pedetista.

Presidente do DEM na Bahia, o deputado federal Paulo Azi também criticou o governador. Disse que Rui Costa fez “mero jogo de cena”. “O governador Rui Costa brinca com a inteligência do povo da Bahia", afirmou. “Por mero jogo de cena, não declarou sua posição. Quer o bônus, mas não o ônus da reforma. Isso, com certeza, não é postura de um líder político", disse o democrata.

Rui Costa garantiu aproximadamente 49% dos votos de sua base aliada para reforma. Votaram a favor: Alex Santana, Antonio Brito, Cacá Leão, Charles Fernandes, Claudio Cajado, João Carlos Bacelar, José Nunes, José Rocha, Otto Filho, Isidório, Paulo Magalhães, Ronaldo Carletto, Tito, Uldurico e Raimundo Costa. Segundo o presidente do PSD na Bahia, o senador Otto Alencar, os cincos deputados do seu partido votaram a favor após pedido do governador Rui Costa para, ao negociar apoio à reforma da Previdência, articular a liberação de recursos para o estado. De acordo com o senador, o estado deve receber cerca de R$ 4 bilhões se os compromissos com o governo federal e o Congresso Nacional, de fato, forem honrados. 

Apesar de os deputados votarem a favor da reforma, Rui Costa fez duras críticas à proposta. O petista chegou a dizer que iria "sacrificar" apenas os pobres. "Me parece muito estranho e ruim quando você está pedindo sacrifício de pessoas que têm 60 anos, ganham dois, três salários mínimo, [mas vai] isentar pessoas muito ricas de contribuir com a Previdência Social. Ou todos vão fazer sacrifício ou não pode, mais uma vez, só os pobres pagar a conta do déficit previdenciário. Em qualquer lugar do mundo, quem ganha mais, contribui mais. Aqui toda vez que tem que mudar a lei faz o inverso", declarou.

O governador ainda respondeu ao deputado federal Arthur Maia (DEM), que afirmou que Rui colocava em risco as contas da Bahia ao não apoiar a proposta . "Os meus valores são os meus. E os dele são os dele. Cada um se guia pelos seus valores. Eu não troco a defesa do povo da Bahia por emenda de R$ 20, 30, 40 milhões de reais", declarou, ao se referir ao fato de o presidente Jair Bolsonaro liberar emendas para deputados votarem a favor da proposta. Ontem, o governador ainda fez questão de desmentir uma conversa falsa, entre ele e o deputado federal Nelson Pelegrino (PSL), que circulou em grupos de Whatsapp. Rui Costa determinou abertura de inquérito para apurar o caso. “Todos sabem o meu posicionamento e o dos governadores do Nordeste sobre a reforma da previdência. Essa fake news vai ser tratada como crime grave”, declarou.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas