Circuito Cultural Belgo Bekaert abre programação de setembro com pocket show do músico Zé das Congas

Nas apresentações a os espetáculos “Em busca da ilha desconhecida” e “Maria Minhoca” , nos dias 14 e 28, em Feira de Santana


Tribuna da Bahia, Salvador
11/09/2019 15:52 | Atualizado há 7 dias, 8 horas e 9 minutos

   
Foto: Divulgação

Uma performance musical especial do artista feirense Zé das Congas vai abrir a apresentação do Circuito Cultural Belgo Bekaert  neste sábado, dia 14 de setembro, às 15:30, no Centro de Esportes e Artes Unificados (CEU), no bairro Cidade Nova, em Feira de Santana. José Pereira dos Santos, mais conhecido como Zé das Congas, é músico, percussionista, artesão e gosta de inventar seus próprios instrumentos, sempre valorizando materiais reciclados. Um dos seus instrumentos preferidos é o berimbau do futuro, que ficou conhecido em todo o Brasil. “Além de trazer para Feira de Santana espetáculos de grupos teatrais brasileiros premiados, o Circuito Cultural Belgo Bekaert se propõe também a promover e valorizar sempre os artistas locais”, afirma  Tamylla Rosa, coordenadora do Projeto em Feira de Santana. 

Em seguida, às 16 horas, o Circuito Cultural Belgo Bekaert apresenta o espetáculo “Em busca da ilha desconhecida”. Encenado pelo Coletivo Duo, o espetáculo infanto-juvenil, inspirado na obra de José Saramago, conta a história de um jovem que quer encontrar a ilha desconhecida. Ele bate às portas do rei para pedir-lhe um barco. A montagem mostra a trajetória do homem e da mulher que desafiam fortes correntezas para realizar seus sonhos. Uma viagem onírica, poética, carregada de humor e ludicidade, a montagem passeia pela musicalidade e teatralidade da cultura popular ibérico-nordestinas. A peça tem duração de 50 minutos e é indicada para crianças a partir de 4 anos de idade.

No dia 28 de setembro, o Circuito Cultural Belgo Bekaert apresenta o clássico infantil  “Maria Minhoca”,  às 16 horas, no CEU Cidade Nova. Com texto de Maria Clara Machado, a obra, encenada pela Companhia Cuca de Teatro, é um clássico infantil da literatura teatral brasileira. Sob a ótica dos palhaços, a montagem lembra o clássico “Romeu e Julieta”.  A peça conta a história do apaixonado Chiquinho Colibri, que não consegue chegar nem perto da sua amada Maria Minhoca, pois o seu pai, o lorde inglês Mister João Buldog da Silva, já planejou outro destino para ela -casá-la com o vaidoso e ambicioso Capitão Quartel.  Com a ajuda de Pedro Fon Fon, seu melhor amigo,  Colibri vai viver uma aventura atrás da outra, aprontando mil e uma peripécias para conquistar pai, filha e público de todas as idades. Maria Minhoca é resultado do primeiro trabalho de pesquisa e experimentação do grupo fundamentado na linguagem do clown. O espetáculo tem duração de 50 minutos e indicação etária é a partir de 4 anos.

As apresentações são abertas ao público e com entrada gratuita.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas