Bruno Reis diz que ACM Neto ainda testa nomes para 2020

O vice-prefeito foii cauteloso ontem e disse que o prefeito ainda está testando qual o menor nome para apoiar na eleição de 2020


Tribuna da Bahia, Salvador
12/09/2019 07:06 | Atualizado há 6 dias, 16 horas e 58 minutos

   
Foto: Reprodução

Por Rodrigo Daniel Silva


Apontado como candidato natural à sucessão de ACM Neto (DEM), o vice-prefeito Bruno Reis (DEM) foi cauteloso ontem e disse que o prefeito ainda está testando qual o menor nome para apoiar na eleição de 2020. Para ele, Neto vai cumprir a promessa de anunciar o postulante no final de dezembro. "Acho que (ACM Neto) ainda não (definiu). Acho que o prefeito já tomou uma decisão, que foi antecipar esse calendário para a virada do ano. Então, está antecipando esse cronograma em oito meses. Ele ainda não se decidiu e está analisando todos os cenários. Acho que ele está testando os nomes, as opções que ele tem, e avaliando quem vai reunir as melhores condições para fazer esse projeto avançar", afirmou Bruno Reis, em entrevista à rádio Metrópole. 


Além do vice-prefeito, o secretário municipal de Saúde, Leo Prates (DEM), o presidente da Câmara de Salvador, Geraldo Júnior (SD), e até o presidente do Esporte Clube Bahia, Guilherme Bellintani (sem partido), têm sido cotados para ser o candidato de ACM Neto no próximo ano. Para Bruno Reis, que também é secretário municipal de Infraestrutura e Obras Públicas (Seinfra), o desafio é manter a unidade do grupo político. 


“Tenho convicção de que será eleição disputadíssima. Nosso grupo tem que buscar ao máximo unidade em torno de uma única candidatura. A tendência da oposição é pulverizar, para tentar levar para segundo turno e todos se unirem. Acho que vão fazer o papel deles, de estimular candidaturas. Vamos fazer nosso papel que é de unificar. É isso. É a democracia que temos que defender com unhas e dentes. Cada campo político terá sua estratégia", avaliou.


Aliados do governador Rui Costa (PT) estão divididos sobre a melhor estratégia para a eleição de 2020 em Salvador. De um lado, há quem defenda, como o deputado estadual Robinson Almeida (PT), que a melhor tática é a pulverização, isto é, ter várias candidaturas contra o postulante do prefeito soteropolitano. Do outro lado, há quem entenda, como o senador Angelo Coronel (PSD), que o melhor é ter apenas um nome para brigar pelo Palácio Thomé de Souza.


Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas