Coluna Boa Terra (Por Valdemir Santana) - Edição do dia 18/9

Abram alas para Hiran, afinal em menos de um mês o clipe do baiano supera um milhão de views


Tribuna da Bahia, Salvador
18/09/2019 11:58 | Atualizado há 5 dias, 13 horas e 44 minutos

   
Foto: Reprodução

A nova voz da rebeldia urbana baiana, e do balanço pop brasileiro, Hiran Fernandes (foto), encanta o show business. Com pouco mais de duas semanas de lançamento, o clipe “Lágrima”, colocado nas plataformas digitais no ultimo dia 27, supera a marca de um milhão de acessos. “Não dá pra assistir só uma vez, né? Corre pro You tube” atiçou ontem a produtora Paula Lavigne, dona da “Uns Produções” que cuida da carreira do artista.

A marca de um milhão de acessos impressiona logo na apresentação e se mantém em destaque também quando se avalia o tempo de execução. No Brasil outros artistas como a cantora sertaneja Marília Mendonça, o melhor desempenho do país na cena digital tem mais de 470 milhões de acessos para a música “Infiel”. Mas a questão a considerar é que a faixa foi lançada em julho de 2015, há, portanto mais de quatro anos.

O lançamento do clipe de “Lagrima”, que deve integrar o novo álbum em preparação de Hiran, ganhou repercussão em toda a grande mídia do país, com destaque para o influente jornal “O Globo” do Rio de Janeiro. Hiran foi mostrado como um rap que se destacou no mercado a partir de 2017, mas aderiu ao pop por não se sentir bem sendo gay num ambiente não muito simpático à liberdade sexual. Na gravação de “Lagrima" participam o bluzeiro baiano Baco Edu do Blues, a cantora Gloria Groove e o coletivo “Attooxxá” de música urbana de Salvador. 

Natal vai chegar e o “Quebra Nozes” está na agenda do high society

O mundo elegante faz pausa em dezembro para assistir o “Quebra Nozes”, o balé de repertório mais encenado no mundo durante a temporada de Natal. Salvador que foi a primeira cidade do Brasil a fazer a montagem completa do espetáculo criado na Rússia há mais de 120 anos, já está com a agenda preparada para manter a tradição refinada. É pauta confirmada pela coreógrafa e mestra de balé Suzana Rush para apresentar em dezembro no “Teatro Castro Alves”.

Suzana Rush mantém a tradição de colocar Salvador em evidencia na cena brasileira da dança clássica desde os anos 1980,quando criou a exclusiva academia de dança “Etudes Escola de Ballet” na Graça, o bairro aristocrático de Salvador. Este ano renovou a atuação com a criação de uma nova unidade no Horto Florestal e prepara a encenação do balé para dezembro.

Na pauta de produção ainda estão sem definições os solistas para a menina Clara, a protagonista; o Rei dos Ratos, o grande vilão, e principalmente para a Fada Açucarada, personagem mais carismático. Uma inovação é que o espetáculo usa o titulo do filme “Quebra Nozes e os Quatro Reinos”, produção dos “Studios Disney”, mas se mantém fiel à coreografia original do “Quebra Nozes e o Reis dos Ratos”, como na estréia em São Petsburgo, em 1892.  

Salvador reinventa seu pedigree musical com Boomba Sounds no Pelourinho 

A música que se ouve nas agitadas quintas feiras do “Pelô Hall” da Rua Alfredo Brito não é exatamente o que se pode chamar de axé music. A elite da sub cultura urbana, esbanja contestação e ritmo, na “Boomba Sounds” que seria uma evolução da cultura “Sound System”. Nasceu na Jamaica nos anos 1960; conquistou Londres,nos anos 1980, e passando por São Luis, dominou São Paulo nos anos 1990.

Em Salvador são heróis de resistência que incendeiam a região underground do Rio Vermelho, e fazem o centro histórico ficar mais pulsante do que sob a ditadura do axé music. A Rua Alfredo Brito é uma das mais antigas do Brasil. Era a Portas do Carmo quedava acesso ao Castelo do Pelourinho, um dos três que existiu na Bahia.

Na programação de amanhã, 20, comandam as pick-up os deejays Magnata King Faya, DJ Gug e Maico Rasta. No palco os MCs Iara Vilanueva, Marcelo MK Puff, Amanda rosa e “Favela Atômica”. 

Primeiro as baianas do acarajé, agora sambistas da folia cariocas

Salvador saiu na frente ao tombar as icônicas imagens da baiana vendedora de acarajé como “Patrimônio Imaterial do estado” e agora o Rio de Janeiro investe também no reconhecimento e preservação de símbolos da cultura popular. A idéia de tombar o carnaval carioca como patrimônio cultural dos cariocas é admitida pelo antropólogo Cláudio Prado de Mello, diretor do “Instituto Estadual do Patrimônio Cultural”, do Rio de janeiro, o “Inepac”. 

Embora exista há 40 anos, o instituto não tem registro de nenhum patrimônio imaterial do estado, contou a colunista Lu Lacerda, Publisher do influente site com o nome dela. Sorte e prestigio das baianas que o tombamento existe desde 2012, quando o então governador da Bahia, Jacques Wagner assinou o decreto.

Moda chique de Paula Raia reinventa o conceito fashion 

Tem curadoria do antropólogo baiano Helio Menezes, e participação de mulheres de comportamento ousados e vanguardistas como a apresentadora de televisão Glória Maria da Matta, a exposição “Terrosidades” que o “Centro Cultural de São Paulo” inaugura na sexta, 20, em São Paulo. O evento singular foi criado pela estilista e arquiteta Paula Raia. Não usa o termo, mas fica claro que questiona a chamada ditadura da moda.

Desta vez usa como referência até conceitos digamos do inconsciente coletivo de criar arte no país em cenários tão instigantes como o da cerâmica marajoara. As primeiras imagens já divulgadas pela poderosa “Vogue” mostram moda e mulheres como poucas vezes se viu no Brasil.


Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas