MEC: Enem 2019 teve a menor taxa de abstenção da história

Na Bahia, houve aumento de 16,3% no número de ausentes do primeiro para o segundo dia de provas


Tribuna da Bahia, Salvador
12/11/2019 10:30 | Atualizado há 20 horas e 29 minutos

   
Foto: Reprodução / Google fotos

Por: Rayllanna Lima


O número de participantes que deixaram de fazer o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) na Bahia cresceu 16,3% do primeiro para o segundo dia de provas. No dia 3 de novembro, o número de faltas foi de 92 mil. Já no domingo último (10), mais de 107 mil candidatos se ausentaram.

Com isso, a taxa de abstenção no estado foi de 27,3%, próximo da média nacional. Apesar de números consideravelmente elevados, este ano o Enem registrou o maior índice de participação da história: 72,9%. Ou seja, compareceram 3,7 milhões dos 5,1 milhões de inscritos em todo o país.

Com mais de 395 mil inscritos, a Bahia continua em terceiro lugar no ranking de estados com maior número de inscritos e presenças, ficando atrás apenas de São Paulo e Minas Gerais. O balanço foi divulgado pelo Ministério da Educação (MEC), por meio do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Em coletiva à imprensa ainda na noite do último domingo (10), o ministro da Educação, Abraham Weintraub revelou que a taxa de abstenção da edição

deste ano foi de 27,19%, o que representa o menor índice de participantes ausentes já registrados na história.

Na análise de Weintraub, “esse foi o melhor Enem de todos os tempos”. “Tanto em execução, operação, logística e também quanto à formulação, porque a gente até agora não está vendo uma crítica técnica, embasada, quanto às provas", disse.

Ele adiantou também que as próximas edições do exame serão mais técnicas, sem teor “ideológico”. “[O estudante] não vai precisar mais ficar buscando nos manuais de esquerda ou de direita ou em qualquer lugar que seja, ideologias. Como foi para a redação, poderia escrever uma redação de esquerda, de direita ou técnica. Queremos apenas ver quem sabe elaborar uma boa redação”, afirmou. Nesta edição, o tema da redação foi ‘Democratização do acesso ao cinema no Brasil.

Também na coletiva, o presidente do Inep, Alexandre Lopes, destacou que todas as questões foram retiradas do Banco Nacional de Itens (BNI), já elaboradas. “Não houve direcionamento para mais ou menos conteudistas. O que houve foi a equipe buscando dentro do Banco de Itens uma prova equilibrada, que cobrisse matrizes do Enem. Para oferecer às universidades um conjunto de alunos com boas notas, para escolherem os melhores para seus cursos”, reforçou.

Quem se sentiu prejudicado pode pedir reaplicação do exame

Conforme informou o Inep, os participantes que se sentiram prejudicados com a aplicação da prova por questões de logísticas já podem entrar com recurso e pedir a reaplicação do exame, no site do Enem, na sessão Página do Participante.

O prazo para solicitação foi iniciado nesta segunda-feira (11) e se esgota na próxima segunda, dia 18. O pedido não significa que a liberação para reaplicação será autorizada. Todos os casos serão individualmente analisados pela Comissão de Demandas da autarquia.

Segundo as regras anteriormente sinalizadas, os participantes que sentiram-se indispostos ou apresentara problemas de saúde, tendo que abandonar a prova, não terão direito à reaplicação.

A análise dos pedidos será divulgada no próximo dia 27, também na Página do Participante. O Inep informou ainda que foram registradas 76 ocorrências, entre emergências médicas, queda de energia elétrica, interrupção no abastecimento de água e desastres naturais.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas