Trade turístico comemora reabertura do Hotel Pestana

A novidade foi anunciada na manhã de ontem pelo prefeito de Salvador, ACM Neto, após encontro com o presidente do grupo Pestana, Gustavo Jarussi, e com o diretor da organização, José Macedo, no Palácio Thomé de Souza, sede da gestão municipal, no centro h


Tribuna da Bahia, Salvador
19/11/2019 08:20 | Atualizado há 22 dias, 9 horas e 27 minutos

   
Foto: Reginaldo Ipê / Tribuna da Bahia

Por: Yuri Abreu


Um dos hoteis mais tradicionais da capital baiana vai voltar a abrir as portas em breve. Fechado desde o Carnaval de 2017, o Hotel Pestana funcionará, além dos leitos, com um mix de residencial e comercial, sem contar a manutenção do centro de convenções existente, cuja capacidade é para cerca de 2.500 pessoas.

A novidade foi anunciada na manhã de ontem pelo prefeito de Salvador, ACM Neto, após encontro com o presidente do grupo Pestana, Gustavo Jarussi, e com o diretor da organização, José Macedo, no Palácio Thomé de Souza, sede da gestão municipal, no centro histórico da capital baiana.

Quem comemorou a notícia, de pronto, foi o trade turístico, que viu, nos últimos anos, grande unidades hoteleiras fecharem as portas, assim como o antigo centro de convenções estadual, resultando em perda significativa de turistas e outros eventos principalmente em períodos de baixa estação.

“Este é um hotel ícone da cidade e que não deveria ficar muito tempo fechado. A gente vê com muita alegria a volta do Pestana e toda a hotelaria fica satisfeita por ter um equipamento desse, que ajuda o turismo de Salvador, assim como contribui para a geração de empregos”, afirmou Glicério Lemos, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hoteis, seção Bahia (ABIH-BA).

Para Roberto Duran, presidente do Salvador Destination, a novidade vem em um bom momento, mas se queixou da ausência de maiores detalhes a respeito do projeto. “É uma boa notícia, sem dúvida. Mas, desde que a gente saiba como vai ser a configuração dele. Se for para reabrir o Pestana sem o Centro de Convenções existente, com apenas cem apartamentos e o restante sendo comercial e residencial, não sei como isso pode beneficiar o turismo de alguma forma”, criticou.

Segundo ele, Salvador precisa ter um Centro de Convenções para poder receber eventos diversos, tanto nos períodos de alta, quanto nos de baixa estação. “A cidade, voltando a ter um equipamento, precisará ter hotéis de grande porte para atender a esse público que está retornando a nossa cidade. Hotel de apenas cem apartamentos não resolve isso. Mas, se o Pestana reabrir próximo da sua antiga capacidade [eram mais de 400 apartamentos], Salvador pode retomar o espaço que já teve na área do turismo de eventos”, comentou Duran, que elogiou as medidas de incentivo a rede hoteleira adotadas pelo prefeito ACM Neto.

Outro dirigente do trade que aguarda com ansiedade a reabertura do Hotel Pestana é o presidente da Federação Baiana de Hospedagem e Alimentação (FeBHA), Sílvio Pessoa. Mas, apesar de ressaltar a história a unidade hoteleira, a qual se referiu como “icônica”, ele também espera por mais informações a respeito do projeto.

“O que nós queremos saber é em quanto tempo se dará isso, quantos apartamentos serão e quando será a reabertura. São projetos e detalhes que estamos conjecturando, mas não temos detalhes. Esta é uma boa notícia, principalmente para nós que o vimos fechar, assim como o Othon [desativado há mais de um ano]. Ele tem um centro de convenções de médio porte que faz falta na cidade”, disse ele.

Questionado sobre o novo modelo de funcionamento do Pestana, Pessoa comentou que é de responsabilidade do proprietário a viabilização do negócio. “Já temos o exemplo do Salvador Praia Hotel [localizado em Ondina] que veio abaixo e terá duas torres. O que não pode é aquela obra ficar parada e se deteriorando”, falou o presidente da FeBHA.

REUNIÃO

Além do prefeito e dos gestores do Grupo Pestana, a reunião também teve participação do secretário municipal de Cultura e Turismo, Cláudio Tinoco, e dos arquitetos Francisco Mota e André Sá. Mota e Sá apresentaram, a Neto, projeto de reabertura e ampliação do hotel.

“Até fevereiro, os detalhes do projeto serão apresentados. E a Prefeitura vai atuar, por meio da Secretaria de Desenvolvimento e Urbanismo (Sedur), para acelerar todo o processo de liberação de licenças e alvarás, já que trata-se de um investimento importantíssimo para movimentar a economia e o turismo na cidade”, declarou o prefeito ACM Neto.

Para Gustavo Jarussi, presidente do Grupo Pestana, a decisão de reabrir o hotel se deve a confiança nas ações feitas pela atual gestão municipal. “Decidimos reabrir o hotel porque confiamos nesse trabalho de recuperação da cidade e dos estímulos dados à economia e ao turismo por essa gestão municipal. Além disso, o novo Centro de Convenções de Salvador vai ajudar a impulsionar o turismo e isso também foi um fator primordial para nós”, declarou.

Já de acordo com Cláudio Tinoco, o anúncio da reabertura do Pestana vai alavancar o turismo na cidade, gerando emprego e renda. “Este anúncio vem coroar o trabalho de requalificação e promoção que a Prefeitura tem executado nos últimos anos, além de projetar um futuro ainda mais promissor para o turismo de Salvador”, ressaltou.

INCENTIVOS

A Prefeitura já encaminhou para a Câmara de Vereadores projeto que beneficia a rede hoteleira com benefícios fiscais que envolvem desconto no Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) e facilidade no pagamento de débitos através do Programa de Parcelamento Incentivado Especial (PPI).

Pelo texto, os estabelecimentos poderão fazer o pagamento de dívidas tributárias municipais com desconto de até 100% de multa e encargos monetários e a redução em até 40% do IPTU devido anualmente. O desconto no IPTU poderá ser obtido a partir de iniciativas como gastos com inovação, requalificação da infraestrutura e modernização das instalações; gastos com qualificação do quadro de funcionários e aumento do nível de ocupação.

De acordo com o projeto, poderão se inscrever no programa hotéis que estejam com a situação fiscal regularizada ou em regularização, e não possuir outros incentivos fiscais concedidos pelo município. O benefício terá vigência por um período de quatro anos, contados a partir de 2020.

HISTÓRIA

Construído sobre as rochas, próximo ao mar do Rio Vermelho, o Hotel Pestana foi inaugurado nos anos 1970 como Le Méridien, sendo o primeiro hotel cinco estrelas da Bahia. Fechado nos anos 2000, devido a uma dívida superior a R$ 1 bilhão, ele foi reaberto no ano seguinte, após ser adquirido pelo Grupo Pestana, que comprou o prédio pelo valor de R$ 17 milhões à época.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas