Startup desburocratiza locação de imóvel e dá credibilidade para negativados

Não é preciso mais se desgastar com papeladas como comprovante de renda, nem se preocupar com análise de crédito, fiador e consulta ao SPC e Serasa. Agora, tudo pode ser digital e sem burocracia


Tribuna da Bahia, Salvador
19/11/2019 11:00 | Atualizado há 3 dias, 16 horas e 14 minutos

   
Foto: Reginaldo Ipê / Tribuna da Bahia

Por: Rayllanna Lima


A locação de imóveis ficou mais fácil para os soteropolitanos, sobretudo para os que sofrem diretamente com a crise econômica que se prolonga no país. Não é preciso mais se desgastar com papeladas como comprovante de renda, nem se preocupar com análise de crédito, fiador e consulta ao SPC e Serasa. Agora, tudo pode ser digital e sem burocracia.

A solução para a desburocratização do processo de aluguel de imóveis veio por meio da Alpop, startup especializada em imóveis, criada em Campinhas (SP), que desenvolveu uma plataforma digital com sistema próprio que analisa a inadimplência de um locatário, dando a ele credibilidade mesmo que esteja com restrição na praça, ou o famoso “nome sujo”.

Como funciona? De um jeito bem prático: o dono do empreendimento anuncia o imóvel, o interessado encontra o modelo que deseja e informa apenas nome e CPF. O sistema online faz uma análise de confiabilidade, depois uma visita ao imóvel é marcada e o negócio é fechado com o dinheiro do aluguel garantido na data combinada.

A plataforma foi lançada na capital em agosto, mas somente mês passado entrou em expansão com a liberação para busca dos mais de cem imóveis cadastrados. Desde então, vem fazendo sucesso entre os locatários e locadores. Entre eles está Alex Pereira dos Santos, que há cerca de seis anos deixou fechado o imóvel registrado em nome de seu pai, José da Silva Santos.

Segundo ele, o principal motivo foi a definição do inquilino, visto que seu pai e sua mãe são idosos acima de 70 anos, e ele procurava locatários "que não tirasse a tranquilidade" de seus pais, que moram embaixo da casa que acabara de ser alugada.

"Passei para eles o perfil do inquilino que queria, para o corretor Gabriel, ele me apresentou algumas pessoas interessadas e, no último dia 24 de outubro, a gente fechou com um casal. Não é necessário testemunha, praticamente tudo feito online, com cartório digital que certifica os documentos. Foi uma coisa super prática”, comentou.

Outro ponto destacado por Alex é em relação aos mecanismos de pagamento. Mesmo sem fiador, não há a necessidade de caução. Cada inquilino realiza o pagamento direto para a Alpop, que repassa para o locatário. Em caso de falta de pagamento por até três meses, a própria empresa se responsabiliza em quitar o aluguel. “A gente já não fica na dependência de ficar cobrando aos inquilinos. O maior atrativo foi que eles pesquisavam a condição financeira e as referências do inquilino. Então, essa segurança me atraiu muito para o produto que a Alpop oferece”, afirmou.

Mas há ainda outra vantagem que agradou Alex: a atuação em bairros populares. O imóvel citado por ele, alugado no último dia 24 de outubro, está situado em Castelo Branco. “As outras corretoras dificilmente se interessam pela administração de imóveis de aluguel nessas regiões. E as pessoas precisam de segurança, seja lá em qual classe social que elas estejam estabelecidas. Estou muito confiante de que o produto oferecido pela empresa é bom. Por enquanto, estamos bem satisfeitos”, garantiu.

Se quem coloca para alugar está satisfeito, quem aluga está mais ainda, devido a pouca confiança que inadimplentes recebem no mercado imobiliário. O Gabriel, corretor que atendeu Alex, também foi corretor em outra ocasião de Thiago Tavares, cliente da Alpop.

"Precisei alugar um apartamento e procurei o Gabriel para me ajudar. Para minha surpresa, ele estava como gerente da Alpop aqui em Salvador. O mais interessante é facilitar a forma de garantia dos clientes. Hoje, a maior dificuldade para quem quer locar um imóvel é fornecer as garantias que as imobiliárias pedem como caução, nome limpo. Sou uma pessoa que já trabalhei com imóveis, sei o quanto é burocrático quando entra nessa parte. É diferente de tudo que já vi em termo de locação. O contrato chegou em 48 horas, a chave já estava disponibilizada cinco dias após a escolha do imóvel ”, contou à reportagem.

E acrescentou: "Acredito que não é porque você está com o nome sujo que vai deixar de pagar o local que você mora. O princípio básico é garantir a moradia de sua família. Nunca atrasei um aluguel, mesmo com o nome limpo. Tenho certeza que com nome sujo a primeira coisa que pagaria seria meu aluguel. A confiança que a Alpop dá é essencial para as pessoas retomarem sua vida".

"Falta é confiança na população de baixa renda", defende CEO da Alpop

CEO da Alpop Bahia, José Azevedo Filho conversou com a Tribuna da Bahia sobre a iniciativa. Segundo ele, ainda não foi registrado nenhum caso de inadimplência e que o que falta é confiança na população de baixa renda.

“Na atual conjuntura do Brasil foi instalada uma crise muito grande, que com certeza fez diversas pessoas corretas, idôneas não tivessem a condição de cumprir com todos os seus compromissos, evidentemente são compromissos simples o que não mostra evidentemente falta de vontade em cumprir com suas obrigações e também existem os que não sabem que estão negativados e para regularizar a situação, demora um tempo. Para todas essas situações, a Alpop tem uma análise bastante criteriosa para que a pessoa possa fazer a locação de sua moradia”, explicou.

Segundo ele, “a população menos abastada necessita de confiabilidade e é isso que a gente da Alpop tem o papel de fazer”. “Com essa conjuntura brasileira a dificuldade de se arranjar um fiador está cada vez maior para cumprir com as obrigações que teoricamente seriam de outro. Então, eu vejo que isso a Alpop gera com um grande diferencial e tem trazido para a gente um sucesso muito grande e agente só pode agradecer aos soteropolitanos em ter nos abraçados de forma tão maciça e gerando uma motivação maior”, destacou José Azevedo.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas