Preço do feijão começa a subir na capital baiana

Antes encontrado a R$ 4 em mercados e feiras da capital baiana, hoje já ultrapassa a casa dos R$ 6


Tribuna da Bahia, Salvador
07/12/2019 10:20 | Atualizado há 15 dias, 19 horas e 10 minutos

   
Foto: Romildo de Jesus / Tribuna da Bahia

Por: Rayllanna Lima


Não é somente o preço da carne que está aumentando. Outro ingrediente que não costuma faltar na mesa dos brasileiros, o feijão, começou a encarecer. Antes encontrado a R$ 4 em mercados e feiras da capital baiana, hoje já ultrapassa a casa dos R$ 6. E a tendência, de acordo com comerciantes ouvidos pela reportagem, é que o preço suba ainda mais.

Enquanto o vilão no verão do ano passado foi o feijão mulatinho, que chegou a ser vendido por R$ 15 o quilo, esse ano o feijão carioquinha, conforme informou o comerciante Jucelino Oliveira, de 62 anos, que há 48 atua no Mercado Sete Portas.

"A saca saiu de R$ 220 para R$ 350. Estou até sem ele aqui. Quem sempre aumentou foi o mulatinho, mas esse ano está sendo o carioquinha. Muita gente perdeu safra, tem a seca também. Os preços deram uma baixa essa última semana, mas já está voltando a subir", contou.

Na Rede Mix Supermercado, situado Rua Djalma Dutra, no Matatu, o feijão carioquinha passou de R$ 4,09 para R$ 6,49, também sob expectativa de aumentos maiores até o final do mês, podendo prolongar durante todo o primeiro semestre de 2020.

"Estamos nesse período de entressafra. Vem aí o verão, período de seca. Sol demais, muita gente acaba perdendo feijão. A tendência é que o preço continue subindo", reforçou o gerente do estabelecimento.

Acompanhando de perto a oscilação nos valores dos produtos, a costureira Cristina Santos, 48, já começou a estocar alimentos em casa. "Aprendi a pesquisar mais sobre o prazo de vencimento e formas de manter alguns alimentos bem conservados. Estamos sofrendo com muitos preços altos de muitas coisas. Os prejuízos são grandes e a gente tem que pesquisar, avaliar primeiro quando for comprar. No caso do feijão, não tem jeito, sempre aumenta. Chega final de ano já começo a comprar em maior quantidade", contou.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas