Coluna Boa Terra (Por Valdemir Santana) - Edição do dia 9/12

Ícone da cena artsy mundial, Marepe abre o atelier da Bahia e encanta artistas da cidade onde nasceu


Tribuna da Bahia, Salvador
09/12/2019 06:50 | Atualizado há 13 dias, 23 horas e 8 minutos

   
Foto: Reprodução

O mundo se acostumou a ficar surpreso e instigado com a arte minimalista do baiano Marepe ( na foto com o desigenr Adailton Nunes). Foi em exposições que mudaram a rotina de espaços famosos, como a “Tate Modern” de Londres, galeria Premium que abriga a coleção nacional de arte moderna britânica. Ou da “Bienal de Arte de São Paulo”, onde o artista colocou um muro de concreto, retirado da rua, na Bahia e levado a São Paulo. Mas surpresa singular foi, no final da semana, para um grupo de artistas de Santo Antônio de Jesus que foi recebido no atelier da celebridade.

Marcos Reis Peixoto, nome de batismo de Marepe, nasceu na cidade de cem mil habitantes, onde mantém o atelier de trabalho. “Não consigo nem descrever a sensação de ser recebido por Marepe, um dos caras mais incríveis da arte contemporânea” contou o designer, artista plástico e tatuador Adailton Nunes ao postar foto com Marepe, anteontem. O grupo recebido no atelier acabara de pintar um mural para o “Centro Cultural” da cidade que fica a 190 quilômetros da Capital.

Com a fama de Aldo Brizzi, ópera negra da Bahia ganha destaque na Itália

A produção cultural da Bahia ganhou destaque inusitado na mídia italiana, na ultima semana, com o gigante “Festival Nuova Cosonanza” que acontece até o sábado, 21. É uma overdose de apresentações de músicas para shows, concertos, teatro e óperas, em vários espaços de Roma, que é uma das capitais mundiais da cultura desde a Antiguidade. O destaque ficou por conta do maestro Aldo Brizzi, que é italiano de Alexandria e foi destaque na pauta da noite de quinta, 5, com o “Crudi tropici”, apresentação de letra e musica de Brizzi.

A Bahia ganhou espaço na mídia porque Aldo Brizzi é o criador do “Núcleo de Ópera da Bahia”, idealizado em 2016, quando morava em Salvador. Agora voltou a morar na Itália, e desenvolve estudos em Milão. Mas na hora de falar sobre as experiências profissionais, contou empolgado a criação da “Opera dos Terreiros”, em parceria com o músico baiano Jorge Portugal. Descreveu como uma reinvenção da peça “Romeu e Julieta” de William Shakespeare, vivido entre escravos da Bahia numa ópera.

Vale dizer que a “Ópera dos Terreiros” foi apresentado na França, dia 30, na semana passada no “Théâtre Sainte-Marie-d'en-Bas”, de Grenoble.

Caetano Moniz Barreto no jogo de Pólo, esporte dos ingleses e do Jet set baiano

Quem anda entusiasmado com os torneios de Pólo na Bahia é o empresário Luiz Caetano Moniz Barreto. Ele já está desde o final da semana no elegante “Polomar Pólo Club” do balneário Praia do Forte, onde o Jet set e boa parte do PIB baiano treinam e disputa o torneio “Imaculada Conceição Polo Week Tournament”, que termina hoje. Caetaninho, como é chamado pelos amigos, aprova até a elegante camisa do clube.

Raridade no Brasil, o Pólo é adorado na Argentina e principalmente na Inglaterra, onde se joga desde o século XIX. As disputas dos torneios são feitas com duas equipes de quatro cavaleiros que tentam colocar a bola na baliza. O clube na Bahia tem 80 cavalos.

Música de vanguarda e comida gourmet no “Solar do Unhão”

Pela primeira vez em Salvador, o “F.A.M. Festival” chega no final de semana de 14 e 15, nos palcos e espaços do “Solar do Unhão”, na Avenida do Contorno, com sutilezas da música, arte e comida, ou “food”, da letra que compõe a sigla. Destaques como a música de vanguarda da cantora Josyara Lellis, nova sensação do show business, e a gastronomia singular do badalado Beto Pimentel que integra a lista de seis chefs convidados.

O evento gratuito é promovido numa parceria entre o “Ministério do Turismo” e a “Get Net” a empresa da holding “Santander” que controla as maquininhas de cobrança de contas.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas