'Alguns partidos são como autarquias e empresas estatais', diz Marina Silva

A ex-senadora Marina Silva acredita que a possibilidade de candidaturas independentes pode renovar a política brasileira


Tribuna da Bahia, Salvador
10/12/2019 06:40 | Atualizado há 12 dias, 21 horas e 44 minutos

   
Foto: Reprodução / Google fotos

A ex-senadora Marina Silva acredita que a possibilidade de candidaturas independentes pode renovar a política brasileira. Ela gravou um vídeo para a audiência pública no Supremo Tribunal Federal (STF) que discute a possibilidade de candidaturas avulsas na tarde de ontem e comparou alguns partidos a "autarquias" e "grandes estatais". Os partidos não se preocupam em recrutar quadros dos núcleos vivos da sociedade, disse a ex-senadora. "Eles fazem uma espécie de repetição de suas ações porque se tornaram autarquias. Eles têm fundo partidário, não precisam sequer se preocupar em convencer pessoas a ajudá-los em sua existência."

Em seguida, falou que as cifras milionárias do fundo partidário permitem equiparar algumas siglas a "grandes empresas estatais". "Alguns partidos contam com lançamentos enormes, e as brigas que muitas vezes deveriam ser em torno de projetos e ideias, geralmente se tornam em disputas pelo comando na destinação dos fundos partidários."

O Supremo Tribunal Federal realiza ontem uma audiência pública convocada pelo ministro Luis Roberto Barroso para tratar da viabilidade de candidaturas avulsas, ou seja, sem filiação a partidos. O tema será debatido por causa de um recurso apresentado ao Supremo contra decisão da Justiça Eleitoral do Rio. A Corte entendeu que a filiação partidária é condição de elegibilidade e suspendeu registros de candidatura a prefeito e vice de duas pessoas.

Marina criticou o que chamou de "ideologia do poder pelo poder e do dinheiro pelo dinheiro" nos partidos. "A gente sabe que muitos se enveredaram por esse caminho a qualquer custo e a qualquer preço. A Lava Jato que o diga." "As pessoas não querem mais ver suas ações instrumentalizadas por grupos e partidos", disse, ressaltando que "é difícil para quem tem história de luta pelos direitos humanos, pela educação, e não quer participar da lógica tóxica e destrutiva dos partidos, sair como candidato".

Os partidos possuem o monopólio sobre a entrada na política institucional. Se eles não mais forem o único mecanismo para se candidatar, teriam que rever os processos de poder dentro de si mesmos, disse Marina. "Muitos políticos defendem mobilidade social, mas quando se trata de mobilidade dentro dos partidos, a conversa é outra."


Pedro Prata

Estadão Conteúdo

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas