Silvio Humberto diz que PSB não é refém de decisão de Bellintani

O presidente do PSB em Salvador, Silvio Humberto, negou que a agremiação esteja refém da decisão do presidente do Esporte Clube Bahia, Guilherme Bellintani


Tribuna da Bahia, Salvador
11/12/2019 09:28 | Atualizado há 11 dias, 16 horas e 26 minutos

   
Foto: Divulgação

Por: Henrique Brinco


O presidente do PSB em Salvador, Silvio Humberto, negou que a agremiação esteja refém da decisão do presidente do Esporte Clube Bahia, Guilherme Bellintani, de se candidatar ou não na eleição municipal de 2020 em Salvador. A sigla atualmente conta com dois pré-candidatos: a deputada federal Lídice da Mata e o próprio Silvio. Bellintani, apesar de não estar filiado, por outro lado, é cotado para ingressar no grupo com a garantia de encabeçar uma chapa majoritária.

"Tenho dito com a tese de que as agremiações são mais importantes que as pessoas. O que a gente tem feito faz parte do jogo político. [Bellintani] é alguém importante? É, mas o PSB é maior do que as pessoas. Maior do que eu, do que Lídice... Por isso que é partido. É uma construção coletiva. Não vejo de outra forma. Evidentemente vejo as especulações, mas de fato concreto não tem nada. Então, é em cima disso que eu tenho me posicionado", afirmou.

O edil afirma que mantém a sua pré-candidatura. "Tenho colocado a minha pré-candidatura a todo o momento, reafirmando o lugar que estamos falando, enquanto alguém que tem trabalhado pela promoção da igualdade racial na cidade. E tenho insistido que a cor tem que começar a deixar de contar, porque a cor tem contado sempre nesse jogo. [...] O que tem aparecido de novo nesse debate são as pré-candidatura negras no pleito para a prefeitura de Salvador". Questionado sobre o movimento do PSB nacional de se afastar do PT, o vereador pondera e sinaliza que o partido pode compor com os petistas mais uma vez na Bahia. "Por mais que a gente entenda o Brasil, você não entende o Brasil sem suas partes. E principalmente na política não é a primeira vez que a gente vê, na campanha nacional, os arranjos locais. Essa é a história da República nesse país. Por mais que você tenha algumas definições nos planos nacionais, você tem os arranjos locais".

Questionado sobre o que achou da pesquisa Big Data/Record, que apontou o vice-prefeito e pré-candidato Bruno Reis (DEM) como favorito na corrida pela capital baiana, Silvio Humberto opinou: "A pesquisa sempre está retratando o momento. Fiquei surpreso com o nome de Lídice não ter aparecido, além de outros. É preciso avaliar como é feita a pesquisa, porque não tive acesso. É preciso ver quais foram os nomes listados, já que é uma pesquisa estimulada. Esse é o meu questionamento, não o resultado. Mas, na medida que a pesquisa não oferece outros nomes... Isso está sendo divulgado, é apenas reconhecer o fato objetivamente. É um retrato. Ainda tem muita água para passar embaixo dessa ponte".

Bruno apareceu com 20% das intenções de voto no levantamento. Ele foi seguido por Guilherme Bellintani, presidente do Esporte Clube Bahia, com 9%. O deputado federal Pastor Sargento Isidório aparece com 8%. O também deputado federal Nelson Pelegrino, que já anunciou que está fora da disputa, apareceu com 7%. O levantamento mostra ainda Olívia Santana com 6%; Márcio Marinho com 5%; Geraldo Junior com 3%; Bacelar e Hilton Coelho com 2%, empatados. Brancos e Nulos somaram 19%. Foram ouvidos 850 eleitores, entre 3 e 4 de dezembro. Margem de 4 pontos para mais ou para menos e 95% de confiança.

Ele também analisa o motivo que leva Reis ter vantagem no momento. "Se você está tendo uma exposição, vai desde o batizado de boneca até as inaugurações, é evidente que você tem uma pré-campanha em custo. Então, a exposição está dentro da estratégia da base governista. É preciso ver até onde isso vai. Esse número pode ser um teto. À medida que as outras candidaturas vão sendo expostas, e vai pelo menos se colocando os nomes, acho que isso ajuda a equilibrar o jogo. Mas o jogo ainda está sendo jogado, com muitos lances".

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas