Olodum comemora 40 anos no Concha Negra

O espetáculo “Olodum 40 Anos: Samba-Reggae Original”, que marca o lançamento do EP “Olodum 40 anos”, apresentou, no sábado (11), grandes sucessos do bloco afro como ‘Faraó’, ‘Rosa’, ‘Nossa Gente’ e ‘Vem Meu Amor’


Tribuna da Bahia, Salvador
13/01/2020 13:40 | Atualizado há 13 dias, 22 horas e 13 minutos

   
Foto: Elói Corrêa / GOVBA

O samba-reggae do Olodum contagiou o público da Concha Acústica do Teatro Castro Alves (TCA) durante a segunda edição do projeto Concha Negra. O espetáculo “Olodum 40 Anos: Samba-Reggae Original”, que marca o lançamento do EP “Olodum 40 anos”, apresentou, no sábado (11), grandes sucessos do bloco afro como ‘Faraó’, ‘Rosa’, ‘Nossa Gente’ e ‘Vem Meu Amor’.

O show foi aberto pelo Bando de Teatro Olodum e teve a participação especial da banda Adão Negro e da cantora Ana Mametto. Iniciativa do Governo do Estado, por meio da Secretaria de Cultura (Secult), e em parceria com a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi), o Concha Negra garante o lugar da música afro baiana na programação mensal do maior complexo cultural baiano.

"É importante para os artistas, é importante para a cultura da Bahia e para o público que pode curtir grandes shows com toda a estrutura desse palco", afirmou o cantor do Olodum, Lazinho.

O segurança Hernan Azevedo levou os filhos para conhecer a Concha. "Eu acho esse projeto muito importante. É uma oportunidade, principalmente de ocupação desse espaço especial. O Olodum é um patrimônio cultural da Bahia, assim como Ilê e os outros bloco afro, e deve ser preservado. É isso o que nossa gente precisa, valorização e reconhecimento", destacou.

Projeto

O Concha Negra se compromete a fomentar a diversidade cultural da Bahia, suas tradições e patrimônios. O incentivo a mais um canal de visibilidade e acesso à música afro-baiana se alinha a políticas que reconhecem a cidadania cultural e a afirmação de identidades, combatendo preconceitos e valorizando a expressão das variadas manifestações humanas.

A primeira etapa do projeto foi realizada entre setembro de 2017 e fevereiro de 2018, com shows de Filhos de Gandhy, Muzenza, Ilê Aiyê, Cortejo Afro, Olodum e Malê Debalê. Nesta 2ª edição, além do Olodum, já participaram do projeto o grupo ÀTTØØXXÁ, Ilê Aiyê, Sine Calmon e Morrão Fumegante.

As próximas atrações são Baco Exu do Blues (18 de janeiro), Lazzo Matumbi (25 de janeiro), Afropop com Margareth Menezes, Afrocidade e Luedji Luna (8 de fevereiro), Panteras Negras, Banda Didá e Slam das Minas (15 de fevereiro) e Ópera dos Terreiros com o Núcleo de Ópera da Bahia (14 de março). Os ingressos para o evento custam R$ 40 (inteira) e R$ 20 (meia), à venda na bilheteria do TCA, nos SACs dos shoppings Barra e Bela Vista ou pelos canais do Ingresso Rápido

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas