Maurício Brasil lança Bebendo Samba, seu primeiro álbum

O trabalho é inspirado no samba do recôncavo baiano e presta uma homenagem a Cacau do Pandeiro e Moisés Gabrielli


Tribuna da Bahia, Salvador
22/01/2020 17:35 | Atualizado há 30 dias, 4 horas e 37 minutos

   
Foto: Taciana Pereira/Divulgação

Tirar os sambas da gaveta e apresentá-los em disco foi um processo longo para Maurício Brasil. Há quase 20 anos ele se dedica à atividade de compor, mas somente agora lança seu primeiro álbum, o Bebendo Samba, já disponível em todas as plataformas de streaming.

 O show de lançamento do projeto acontece neste domingo (26), a partir das 17h, na Clube do Samba, no Terreiro de Jesus, Pelourinho. O evento ainda conta com show do Grupo Rara Raíz.

O trabalho é inspirado no samba do recôncavo baiano, principalmente de Santo Amaro da Purificação, terra natal do pai de Maurício. São 12 faixas autorais que contam com as participações de nomes consagrados do cenário musical baiano, como Walmir Lima, Sandra Simões, Roberto Mendes e Cacau do Pandeiro, que toca em todas faixas, além de novos talentos como as cantoras Aiace, Ju Tavares e o clarinetista Ivan Sacerdote.

O álbum também é uma homenagem a Cacau do Pandeiro, percussionista, ritmista e personalidade da cultura popular da Bahia. Depois de ler uma reportagem sobre o músico, Maurício, que já frequentava espaços de samba e sabia quem era Cacau, passou a admirá-lo ainda mais e sentiu vontade de conhecê-lo. “A desculpa que eu arranjei foi ter aulas de pandeiro com ele, mas o que eu queria mesmo era conhecer de perto o mestre Cacau do Pandeiro”, conta. Da convivência nasceu a amizade, o convite para a gravação do disco e até uma parceria, Samba das Sogras.

Canções especiais

Algumas músicas do Bebendo Samba tem um significado especial para o sambista estreante. Como já disse Caetano Veloso, o samba tem o poder de transformar a dor em prazer – e foi isso que Maurício fez emTributo ao Mano Velho e Minha Nossa Mãezinha, canções que compôs em homenagem ao pai e à mãe, respectivamente. Ele ainda conta com a participação do cantor e compositor Roberto Mendes, amigo pessoal do seu pai, na homenagem.

Outra canção especial é Samba da Diversidade, que conta com a participação da cantora e compositora Sandra Simões. A letra reflete sobre as formas de lidar com o diferente e propõe uma convivência sem preconceitos. O tema se relaciona com a atuação em defesa dos direitos humanos de Maurício através do Direito e também como estudante do curso de Gênero e Diversidade, na Ufba.

Outra faixa que tem como motivação a atuação em defesa das minorias é Faltou Pulso. O samba fala das dificuldades que os pais encontram na criação dos filhos e foi motivada pela notícia de um caso de homofobia, no qual dois jovens foram agredidos por estarem de mãos dadas. “Eu li uma matéria em que o pai de um dos agressores dizia que estava envergonhado pelo ato do filho e lamentava ter faltado pulso na criação ”, conta.

Incentivo

Um dos primeiros incentivos que Maurício recebeu para apresentar suas canções foi na Escola Baiana de Canto Popular, da professora e cantora Ana Paula Albuquerque. Foi em apresentações da escola que ele fez um pocket-show autoral que contou com a direção musical de Paulo Mutti. “Eu tinha como colegas de turma Gab Ferreira e Luedji Luna, que hoje são grandes cantoras, e lembro que falei todo tímido que queria cantar minhas músicas e recebi todo o apoio”, lembra.

Washington Oliveira, cavaquinista do disco, e David Santiago, que foi o engenheiro de gravação e fez a mixagem, também foram grandes incentivadores para a realização do trabalho. “Receber uma crítica positiva desses músicos foi fundamental, porque os elogios da plateia familiar e de amigos são sempre suspeitos”, afirma. Outro incentivador foi Moisés Gabrielli, produtor musical do álbum e a quem o trabalho também é dedicado. “Moisés me recebeu no seu estúdio e contribuiu muito com seu trabalho, teve muito cuidado na produção, mas infelizmente faleceu no meio do processo e não viu o CD pronto”, lamenta.

SERVIÇO

Maurício Brasil

Lançamento do álbum Bebendo Samba

Encerramento: Grupo Rara Raíz

Domingo, 26 de janeiro, às 17h

Clube do Samba – Terreiro de Jesus, Pelourinho

R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia)

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas