Costa diz ver pré-candidatura de pessedista com naturalidade

Presidente do PT de Salvador, Ademário Costa, disse ver com naturalidade o anúncio da pré-candidatura do senador Angelo Coronel


Tribuna da Bahia, Salvador
25/01/2020 07:00 | Atualizado há 27 dias, 14 horas e 37 minutos

   
Foto: Divulgação

Por: Guilherme Reis - Editor Interino


O presidente do PT de Salvador, Ademário Costa, disse ver com naturalidade o anúncio da pré-candidatura do senador Angelo Coronel (PSD) a prefeito, principalmente porque, segundo ele “não existe uma candidatura natural na base”.

“Não existe uma candidatura natural na base do governador Rui Costa, por isso é normal que os partidos da base aliada lancem seus melhores nomes. Com o tempo, as pesquisas, o desenvolvimento da pré-campanha e as relações partidárias serão parâmetros para balizar a estratégia do governo”, disse. “A partir daí o governador Rui Costa e nós que formamos o conjunto dos partidos da base aliada analisaremos qual será a melhor estratégia para a conformação das chapas”, acrescentou.

De acordo com Ademário, a partir disso o PT e o restante da base decidirá se haverá “duas ou três chapas majoritárias dentro da base do governo”. “Neste contexto, o PT tem quatro pré-candidaturas: Robinson Almeida, Juca Ferreira, Fábya Reis e Vilma Reis, nenhum deles conseguiu constituir, até agora, maioria para ser escolhida a candidatura do partido. Por isso o PT não aceitará mais nenhum nome que venham para fazer disputa. Só aceitaremos um novo nome se representar o apoio da maioria partidária ou for um nome de consenso”, disse.

Ainda segundo o petista, “nossa prioridade é constituir uma síntese entre a militância, a direção municipal e estadual, o senador Jaques Wagner e o governador Rui Costa. Ao mesmo tempo, o calendário de escolhas de candidaturas do PT, será aprovado no dia 07 de fevereiro na próxima reunião da Executiva Nacional do partido. A partir daí entraremos no processo final de definição da nossa candidatura”, completou.

Calendário

O Diretório Nacional do PT resolveu remeter a decisão sobre o calendário nacional de escolhas de candidaturas para a reunião executiva nacional, marcada para 7 de fevereiro. “Essa é uma decisão preocupante, completamente dissociada do calendário político de uma cidade como Salvador”, disse, na semana passada, Ademário Costa, que quer celeridade no processo de escolha do candidato a prefeito.

“Aqui já estamos em pré-campanha eleitoral, Salvador será a cabeça de ponte do debate entre a esquerda e a direita no Nordeste com impactos decisivos na política nacional”, pontuou.

“Apesar de discordar da demora do PT nacional vamos continuar com o nosso programa de debates sobre o programa de governo, com nossa imagem colada nas realizações do governador Rui Costa e no legado de Dilma, Lula e Wagner”, acrescentou.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas