Coluna Boa Terra (Por Valdemir Santana) - Edição do dia 27/01

Série do baiano Aly Muritiba é destaque na chegada da “Roku” rival das gigantes “Google” e “Apple”


Tribuna da Bahia, Salvador
27/01/2020 07:20 | Atualizado há 1 dia, 7 horas e 16 minutos

   
Foto: Reprodução

Um filme documentário com forte pegada policial, a série “Caso Evandro”, dirigido pelo baiano Ary Muritiba ( na foto com Michelle Chevrand) , está em destaque na parceria que começou na ultima semana entre a brasileira “Globo Play” e a norte-americana “Roku”. É uma mudança e tanto no cenário da mídia e das comunicações. A “Roku” é líder no chamado fluxo de mídia, ou streaming, nos Estados Unidos e forte rival das gigantes “Google”, “Apple” e “Amazon”. Para se ter idéia da ação, basta lembrar que a “Roku” foi a empresa que lançou o primeiro dispositivo para conectar televisões ao “Netflix”. Segundo a mídia especializada quando a plataforma ainda engatinhava e as “Smart TVs” não existiam.

Aly Muritiba é baiano mas mora e trabalha no Paraná. Como a coluna antecipou, na época, ele foi o grande vencedor do “Festival Internacional de Gramado 2018”, o maior do país. A série documentário “Caso Evandro” encomendada pela “Globo Play” amplia uma produção que virou sensação em forma de podcast. É sobre o assassinato de um menino durante um ritual de magia, no litoral do Paraná,em 1992.

O cineasta, junto com a diretora de produção Michelle Chevrand, iniciou as filmagens no dia 14. “Tudo pronto para começar a gravação de Caso Evandro, série documentário true crime para o Globo Play, produzida pela Graz Entretenimento” comemorou Muritiba ao fazer a primeira postagem nas redes sociais. O entusiasmo dos dois continua em postagens seguidas, como as feitas na madrugada de ontem. ”O Caso Evandro tomando forma”,comentou ele como legenda de uma foto em preto e branco.

Além de “O Caso Evandro” outra serie em destaque na agenda da “GloboPlay” é “Medina” documentário sobre a carreira do surfista bi-campeão mundial Gabriel Medina, e os bastidores da turnê “Nossa História” da dupla de irmãos cantores Sandy Lima e Durval Lima Junior.

Após refugio no Canadá, Bruno Capinan retorna e faz música para Salvador

Foi cheio de paz e musicalidade o retorno de Bruno Capinan a Salvador, onde nasceu. “Eu sentei de frente ao farol para refletir sobre uma canção inédita que gravei essa semana e que irei tocar logo mais numa apresentação”, comentou nas redes sociais pela manhã, antes de participar da apresentação marcada para a noite, no “Lalá Casa de Arte”, do Rio Vermelho, pelo “Verão Secreto” evento que foi antecipado pela coluna. O artista vive em Toronto, no Canadá, após pedir abrigo como refugiado de perseguições pelo comportamento sexual, no inicio da década passada.

O artista fez um desabafo sem mágoas. ”Salvador tem o poder de me bagunçar. Minha Bahia, terra que quem vem de fora pensa que é só alegria. seu povo sabe da verdadeira sabedoria, mas sabe da dor que vem desse chão por consequência da sua história cruel e sanguinolenta” refletiu. Mesmo morando no Canadá, Bruno Capinan não para de viajar ao Brasil e faz parcerias com artistas brasileiros, como o guitarrista Bem Gil. Tendo enorme repercussão na mídia estrangeira.

O álbum “Real”, por exemplo, foi noticiado pelo jornal francês “Libération”, no britânico “The Guardian” e em publicações americanas. Fez parceria também com o compositor e multi-instrumentalista Japonês Jun Miyake, com quem se apresentou durante a inauguração da “Japan House” de São Paulo, em 2017.

Xênia França brilha entre o luxo de Copacabana e a mídia francesa

A cantora baiana Xênia França, que já recebeu duas indicações do “Grammy Latino”, encerrou a semana com a gloria de ser a grande estrela da festa “GQ Vozes”, o projeto chique da “GQ Brasil”, edição brasileira da “Gentlemen's Quarterly Magazine”. Ela fez um pocket show no “Fairmont Hotel”, em Copacabana para um salão coalhado de convidados chiques. Mas a glória não parou por aí. No mesmo dia da festa a França esbanjou elogios à cantora baiana.

Foi o artigo “Xenia França, R&B brésilien” publicado no site “PanAfrican Music”, pela influente crítica e jornalista Florent Servia “Finalmente, a França descobre a cantora brasileira Xenia França, rainha do R&B, enriquecida por suas raízes pan-africanas. Lançado neste outono na França, Xênia, seu primeiro álbum, revela uma grande artista” escreveu a especialista.

Ariel Rosa está de volta ao roteiro fashion europeu

A gloria brasileira no cenário fashion internacional não ficou restrita às mulheres, mesmo com a nova retomada do feminismo às passarelas européias. Paris fez o que pode para resgatar a pegada antiga de seus desfiles, mas deixou espaço para os homens, como o surfista e modelo baiano Ariel Rosa. O rapaz que saiu de Salvador para virar sensação nas passarelas de Paris, Milão e Londres, desde 2916, voltou ao calendário de moda na semana passada com o desfile para a marca “Azzaro”, na “Paris Fashion Week” primavera, encerrado no final da semana.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas