Mulheres são mais da metade entre vendedores ambulantes no Carnaval

Dinheiro será usado para custear estudos e abastecer a casa


Tribuna da Bahia, Salvador
25/02/2020 22:26 | Atualizado há 13 dias, 6 horas e 36 minutos

   
Foto: Gabriel Magalhães / Divulgação

"Pagar minhas dívidas, comprar comida, o material escolar e farda do meu filho. Pra mim essa renda significa tudo", resumiu a vendedora ambulante Juciane de Jesus, 27. Ela está entre os 4.500 ambulantes credenciados nesta edição da maior festa soteropolitana, o Carnaval dos Carnavais, que irá movimentar R$1,8 bilhão, segundo dados da Prefeitura Municipal. As mulheres representam 67,6% do número total de vendedores cadastrados, mais do que o dobro em relação à quantidade de homens. Responsáveis pelo sustento em casa e sem trabalho formal, elas aproveitam a oportunidade da festa para administrar as finanças domésticas.

Credenciada pela primeira vez como ambulante no Carnaval, a estudante Tailane dos Santos, 20, irá usar o resultado das vendas durante a folia para pagar o curso técnico em enfermagem. A jovem mora com a mãe e três irmãs, todas menores de idade. “Minha mãe se separou de meu pai e eu estou ajudando ela. Ela está sem condições de pagar meu curso técnico em enfermagem. A minha expectativa é que até o Carnaval eu consiga esse dinheiro”, torce a estudante.

Com mais Carnavais no currículo, Juciane se cadastra há nove anos para realizar vendas na avenida e também é responsável pela renda em casa. “Eu moro com quatro pessoas. Minha mãe, meu filho de 10 anos e meu namorado, que também é correria. O que vier a gente faz. Minha mãe está parada porque está doente, então eu preciso trabalhar pra ajudá-la”, completa ela. 

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a porcentagem de mulheres que sustenta o lar é crescente no Brasil. De 2017 para 2018, o número de chefes de família do gênero feminino passou de 30,3 para 32,1 milhões. Um ano mais nova que Juciane, Laila Santos também está sem emprego formal e sustenta sozinha o filho, de 10 anos. “Com essa renda que faço aqui eu compro as coisas pra dentro da minha casa, compro material de escola do meu filho. Eu me sustento durante um mês”, conta.

Material de trabalho

Juciane, Tailane e Laila foram algumas das vendedoras que receberam novos kits da Ambev, dona da Skol – cerveja oficial do Carnaval de Salvador há 4 anos, após confusão no Circuito Dodô, que danificou barracas, sombreiros e caixas de isopor, na última quinta-feira (20). A marca, que fornece aos ambulantes credenciados pela Prefeitura de Salvador o kit com material exclusivo enão possui estoque para repor os conjuntos danificados, se sensibilizou com o caso e encomendou a montagem de novos kits.

“Nós sabemos como os ambulantes se preparam para aproveitar o período de festas e fazer uma renda extra. Assim que ficamos sabendo do que aconteceu, buscamos a melhor forma para ajudar as vendedoras. Apesar de não possuirmos estoque para fazer a reposição destes materiais, felizmente conseguimos atender a esta demanda”, comentou Harry Racz, gerente regional de marketing da Ambev.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas