Coluna Boa Terra (Por Valdemir Santana) - Edição do dia 27/02

Dupla de vanguarda na folia carioca reinventa com brilho o mito baiano Joãozinho da Goméia


Tribuna da Bahia, Salvador
27/02/2020 09:10 | Atualizado há 6 dias, 5 horas e 49 minutos

   
Foto: Reprodução

A apoteose da cultura baiana por todos os lados que marcou a elite da folia brasileira nos desfiles das escolas de samba do Rio de Janeiro, este ano, chegou a ser noticiada antes do carnaval. Mas a consagração, ontem, da dupla de carnavalescos novatos Gabriel Haddad e Leonardo Bora (foto) empatando tecnicamente na primeira colocação com o enredo "Tata Londirá: o Canto do Caboclo no Quilombo de Caxias" que deu a dimensão esquecida do mito religioso baiano Joãozinho da Goméia, superou os limites da folia. Colocou o brilho do perfil de um babalorixá que mudou o candomblé no Brasil, em alta na avenida. E ensinou à Bahia que os heróis não devem ser esquecidos.

O enredo da “Grande Rio” ganhou também o cobiçado prêmio “Estandarte de Ouro” da poderosa holding editorial “Grupo O Globo”. Dançou e cantou a ousadia do pai de santo que desafiou até a hierarquia das religiões afros, sendo o pioneiro em levar as danças dos orixás para a consagração no então feérico circuito teatral do Rio de Janeiro. Durante o tempo em que morou em Salvador, chegado de Inhambupe, onde nasceu, Joãosinho da Goméia afrontou a sociedade baiana com a libertaria opção sexual. Mudou o endereço do terreiro para a pulsante cidade fluminense Duque de Caxias e foi lá que agendou até presidentes da republica no calendário do templo religioso. Sem falar que a Rainha da Inglaterra, Elizabeth II, visitou o terreiro nos anos 1950, antes de receber a coroa do Reino Unido.

Para a cultura baiana também um inusitado frenesi pela decisão entre as escolas de samba vencedoras. A “Unidos da Viradouro” que mostrou a gloria da confraria baiana “Ganhadeiras de Itapuã” ficou merecidamente como campeã, após o empate técnico com a “Grande Rio”, resolvido sem contestações pelo rigor das normas da Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro.

Society baiano brilha também no “Baile do Copa”, o mais luxuoso de todos

Recebida com honras nas mesas, suítes e salões do hotel mais luxuoso do Brasil, a médica e empresaria baiana Aurora Moura Mendonça voltou a brilhar no exclusivo “Baile do Copa”,sábado, no Rio de Janeiro. Ela curtiu e exibiu requinte com fantasia de tecido adamascada, em companhia do namorado, o fotografo,maquiador e apresentador de televisão carioca Fernando Torquatto. Na turma de amigos, o também baiano Carlos rodeiro filho,considerado um dos designers de jóias mais prestigiado do país.

A festa a fantasia, e traje black tie, acontece desde 1996 e este ano teve como tema o lema “Abra suas Asas”, um convite à liberação e quebra de preconceitos, segundo a anfitriã, Andrea Bentes Natal, a festejada diretora geral do “Hotel Copacabana Paalace”. Ela estreou na hotelaria de alto luxo dirigindo o “Hotel Meridien”, em Salvador

Após a folia baiana “Major Lazer” canta no chinatown de Nova York

Única atração internacional no carnaval de Salvador este ano, a banda norte-americana “Raio Lazer” retorna ao circuito internacional com uma agenda que desafia a paranóia global por ambientes ligados à cultura oriental desde que os chineses anunciaram o aparecimento de um novo vírus atacando os humanos. O trio formado por Thomaz Wesley Pentz, o Diplo, Walshy Fire e Ape Drums, que animou os baianos tocando em um trio elétrico independente no circuito Barra Ondina, faz no sábado, 14, três shows em uma noite, em Nova York. Um deles no pulsante “88 Palace”,que fica no fantástico Chinatown da cidade. É um dos mais antigos enclaves étnicos chineses fora da Ásia. E precioso para os Estados Unidos. Afinal na esteira do crescimento da China, o super bairro disputa com Wal Street a condição de ser o maior centro econômico de Manhattan. Quanto à paranóia do vírus, vale seguir o bom senso de respeitar os cuidados sugeridos pela comunidade cientifica, validos pars qualquer lugar do mundo.

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas