Viroses pós-carnaval aumentam procura em postos de saúde

Com a confirmação do primeiro caso do novo coronavírus no Brasil, as pessoas estão lotando ainda mais os postos de saúde da capital


Tribuna da Bahia, Salvador
28/02/2020 06:40 | Atualizado há 5 dias, 8 horas e 57 minutos

   
Foto: Romildo de Jesus / Tribuna da Bahia

Por: Poliana Antunes


A estação mais quente do ano é marcada pelo aumento do número de casos de viroses. E é exatamente isso que acontece no período carnavalesco e depois da folia. Centenas de pessoas são acometidas por doenças como viroses, conjuntivite, hepatite e mononucleose, conhecida popularmente como a doença do beijo. Com a confirmação do primeiro caso do novo coronavírus no Brasil, as pessoas estão lotando ainda mais os postos de saúde da capital.

A estudante Daniela Soares, 22 anos, conta que ficou assustada com os sintomas da doença e correu para o posto de saúde. “Com tantos casos suspeitos de coronavírus, achei prudente vir, o mais rápido possível, falar com os profissionais de saúde”, precaveu a estudante.

A dona de casa Alessandra de Jesus, 38 anos, falou que a preocupação aumentou quando viu a filha Aline de Jesus, seis anos, sentir alguns sintomas de gripe. “Sei que o novo coronavírus tem sintomas parecidos com uma gripe comum. Então achei melhor já trazer minha filha para avaliação de um médico”, disse a dona de casa.

De acordo com a infectologista Marcela Cavalcante, as viroses, geralmente, acometem os foliões nos primeiros dias pós-carnaval e chegam a ser tão tradicionais na folia quanto os trios elétricos. “O contato próximo, com aglomerações de pessoas em locais onde ocorrem as festas, é um ambiente propício para as transmissões”, explicou.

Segundo a médica, os principais sintomas costumam ser febre, diarréia, náuseas, tontura e sensação de fraqueza. “Os foliões adoecem por que não tomam cuidados básicos de higiene, alimentação e também não repousam adequadamente. É comum as pessoas dormirem menos nesta época do ano. Então, por causa da falta de descanso apropriado, as defesas do corpo abaixam”, destacou.

Ainda de acordo com a especialista, outro fator que contribui para que a imunidade diminua é a alimentação imprópria. “Ao contrário de ter um almoço equilibrado com salada, arroz, feijão, por exemplo, um folião acaba não comendo nada ou só um salgado”', apontou.

Portanto, para evitar os problemas de saúde que acompanham a ressaca pós-carnavalesca, a médica recomenda beber muito líquido, evitar o consumo exagerado de bebidas alcoólicas e comportamento sexual de risco. “Essas atitudes ajudam a afastar a possibilidade de transformar os dias pós-folia em um pesadelo”, Marcela Cavalcante

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas