Governo avalia congelar aposentadorias para bancar Renda Brasil

Secretário Waldery Rodrigues diz que é preciso cortar gastos para viabilizar substituto do Bolsa Família

Tribuna da Bahia, Salvador
14/09/2020 06:30 | Atualizado há 16 dias, 12 horas e 22 minutos

   
Foto: Clauber Clerber Caetano / PR

A área econômica do governo Jair Bolsonaro apoia que benefícios previdenciários, como aposentadorias e pensões, sejam desvinculados do reajuste do salário mínimo e congelados nos próximos dois anos, disse o secretário Especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues.

A ideia evitaria, por exemplo, a correção automática do piso de aposentadorias e pensões – que hoje não podem ser menores que o salário mínimo. A área econômica também apoia que os benefícios maiores fiquem congelados no período.

A economia gerada pelas novas regras seria destinada ao financiamento do Renda Brasil, programa de assistência social que o governo pretende implementar em 2021.

"A desindexação que apoiamos diretamente é a dos benefícios previdenciários para quem ganha um salário mínimo e acima de um salário mínimo, não havendo uma regra simples e direta [de correção]. O benefício hoje sendo de R$ 1.300, no ano que vem, ao invés de ser corrigido pelo INPC, ele seria mantido em R$ 1.300. Não haveria redução, haveria manutenção", disse Waldery Rodrigues ao G1.

Segundo o secretário, embora isso esteja em discussão com a Casa Civil e com o Ministério da Cidadania, o governo Jair Bolsonaro ainda não fechou posição sobre o tema.

Como funciona hoje

Como o piso da previdência não pode ser menor que o salário mínimo, pela regra atual, as aposentadorias e pensões são reajustadas sempre que o mínimo é corrigido. Esse reajuste é anual e não pode ficar abaixo da inflação do ano anterior.

Os benefícios mais altos, no entanto, não têm a mesma vinculação. Em 2020, por exemplo, o salário mínimo foi corrigido em 4,7%, e os benefícios acima do piso, em 4,48%.

Se a proposta do Ministério da Economia for aprovada, todos os benefícios previdenciários ficam congelados no valor atual – independentemente da inflação ou do aumento salarial do período.

São benefícios previdenciários, além das aposentadorias e pensões, o salário-maternidade, o auxílio-doença e o salário-família, entre outros. Programas assistenciais, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC), não entrariam nessa regra.

Com a eventual aprovação da nova regra, as aposentadorias e pensões mais baixas poderiam inclusive ficar menores que o salário mínimo vigente, segundo o secretário.

A ideia de congelar o valor dos benefícios, diz Waldery, seria incorporada à proposta de Emenda à Constituição (PEC) do Pacto Federativo, relatada pelo senador Márcio Bittar (MDB-AC) no Congresso.

O tema não está no texto original enviado aos parlamentares, mas o secretário diz que a inclusão deverá ser negociada com o senador.

Recursos para o Renda Brasil

A necessidade de se cortar gastos para acomodar o Renda Brasil, que vem sendo apelidado de um Bolsa Família 'turbinado', ocorre porque as despesas previstas para 2021 já estão no limite autorizado pela regra do teto.

Estudo mostra que, para criar o novo programa social sem descumprir o teto de gastos, o governo vai precisar eliminar despesas existentes — que podem ser programas sociais ou outras ações, como os gastos com aposentados e pensionistas.

De acordo com Waldery Rodrigues, a aprovação do Renda Brasil representará uma "despesa primária permanente e nova" e, poor isso, requer corte de despesas.

O eventual congelamento dos benefícios previdenciários abriria, segundo o secretário, um espaço "substancial" e "permanente" no teto de gastos. Pelos cálculos do Ministério da Economia, essa medida pouparia R$ 17 bilhões em 2021 e de R$ 41,5 bilhões em 2022 — ou seja, de R$ 58,5 bilhões nos dois anos.

A despesa previdenciária, mesmo após a aprovação de uma reforma no ano passado, é a principal da União.

Em 2021, a previsão de gastos primários é de R$ 1,516 trilhão. Desse valor, R$ 704 bilhões (46%) se referem a gastos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) com a previdência de trabalhadores do setor privado.


Alexandro Martello, G1

Compartilhe       

 




Mais sobre

ECONOMIA | 15/10/2020 11:39 - Há 15 dias, 7 horas e 13 minutos
Guedes substitui Marinho pelo general Ramos no Conselho Fiscal do Sesc

ECONOMIA | 14/10/2020 06:30 - Há 16 dias, 12 horas e 22 minutos
Governo prorroga até dezembro programa que permite redução de jornada e salário

ECONOMIA | 13/10/2020 12:45 - Há 17 dias, 6 horas e 7 minutos
Ação da Defensoria quer que BC retire notas de R$ 200 de circulação

ECONOMIA | 08/10/2020 14:26 - Há 22 dias, 4 horas e 26 minutos
Campos Neto diz que resposta fiscal foi maior em países com orientação de direita

ECONOMIA | 03/10/2020 06:40 - Há 27 dias, 12 horas e 12 minutos
"É uma irresponsabilidade furar o teto", diz Guedes

ECONOMIA | 01/10/2020 15:09 - Há 29 dias, 3 horas e 42 minutos
'Não tem de onde tirar', diz Mourão sobre recursos para Renda Cidadã

ECONOMIA | 01/10/2020 06:30 - Há 29 dias, 12 horas e 22 minutos
Governo vai prorrogar redução de jornada e salário, afirma Guedes

ECONOMIA | 30/09/2020 16:47 - Há 2 horas e 4 minutos
Guedes diz que governo não usará precatórios para bancar o Renda Cidadã

ECONOMIA | 30/09/2020 06:30 - Há 12 horas e 22 minutos
Secretário do Tesouro descarta uso de ‘contabilidade criativa’

ECONOMIA | 29/09/2020 06:30 - Há 1 dia, 12 horas e 22 minutos
Auxílio emergencial: pagamento das parcelas de R$ 300 começa na quarta

ECONOMIA | 28/09/2020 15:48 - Há 2 dias, 3 horas e 4 minutos
Líder do governo diz que ainda não há acordo sobre segunda fase da reforma tributária

ECONOMIA | 28/09/2020 15:45 - Há 2 dias, 3 horas e 7 minutos
Renda Cidadã substitui Bolsa Família e contará com precatórios e Fundeb

ECONOMIA | 28/09/2020 06:30 - Há 2 dias, 12 horas e 22 minutos
Com pandemia e plano travado, leilões do governo ficam para 2021 e 2022

ECONOMIA | 27/09/2020 06:50 - Há 3 dias, 12 horas e 2 minutos
Guedes se reúne com líder do governo na Câmara para debater reforma tributária

ECONOMIA | 25/09/2020 14:22 - Há 5 dias, 4 horas e 30 minutos
Petrobras inicia venda de dois campos de petróleo de águas profundas

ECONOMIA | 25/09/2020 11:08 - Há 5 dias, 7 horas e 44 minutos
Governo tenta fechar reforma tributária e discute acordo para nova CPMF

ECONOMIA | 24/09/2020 13:40 - Há 6 dias, 5 horas e 11 minutos
Projeção de crescimento do crédito em 2020 sobe para 11,5%

ECONOMIA | 23/09/2020 14:20 - Há 7 dias, 4 horas e 32 minutos
Guedes diz que Brasil precisa de 'tributos alternativos' para desonerar empresas

ECONOMIA | 23/09/2020 11:25 - Há 7 dias, 7 horas e 26 minutos
Auxílio de R$ 300: governo deve divulgar calendário até segunda, diz Onyx

ECONOMIA | 23/09/2020 06:30 - Há 7 dias, 12 horas e 22 minutos
Ministério da Economia prevê rombo de R$ 861 bi em 2020

ECONOMIA | 22/09/2020 06:30 - Há 8 dias, 12 horas e 22 minutos
BB: Rubem Novaes apresenta carta de renúncia com efeito a partir de hoje

ECONOMIA | 18/09/2020 14:08 - Há 12 dias, 4 horas e 43 minutos
Guedes é condenado a pagar R$ 50 mil por comparar servidores a parasitas

ECONOMIA | 17/09/2020 15:07 - Há 13 dias, 3 horas e 44 minutos
Governo indica Weintraub para mais 2 anos no Banco Mundial

ECONOMIA | 17/09/2020 10:58 - Há 13 dias, 7 horas e 54 minutos
Fábio Faria reafirma desejo de privatizar Correios

ECONOMIA | 17/09/2020 06:30 - Há 13 dias, 12 horas e 22 minutos
Guedes faz reunião de mais de 4 h após divergências no governo

ECONOMIA | 15/09/2020 15:47 - Há 15 dias, 3 horas e 4 minutos
Guedes diz que 'cartão vermelho' de Bolsonaro não foi para ele

ECONOMIA | 15/09/2020 06:30 - Há 15 dias, 12 horas e 22 minutos
Campo de Lula será rebatizado como Tupi após determinação da ANP, diz Petrobras

ECONOMIA | 14/09/2020 15:10 - Há 16 dias, 3 horas e 41 minutos
Ainda acreditamos que é possível acoplar IVA federal com estadual, diz Guedes

ECONOMIA | 11/09/2020 06:30 - Há 19 dias, 12 horas e 22 minutos
Guedes cobra explicações do Ministério da Justiça sobre 'monitoramento de preços'

ECONOMIA | 09/09/2020 14:13 - Há 21 dias, 4 horas e 39 minutos
Queda do PIB neste ano será ainda menor do que a esperada, diz Guedes