Guedes diz que 'cartão vermelho' de Bolsonaro não foi para ele

Mais cedo, presidente discordou da equipe econômica sobre alternativas para bancar o programa. No domingo, ao G1, secretário cogitou congelamento de aposentadorias e pensões

Tribuna da Bahia, Salvador
15/09/2020 15:47 | Atualizado há 26 dias, 2 horas e 4 minutos

   
Foto: Reuters

O ministro da Economia, Paulo Guedes, chamou de "barulheira" as discordâncias entre o presidente Jair Bolsonaro e integrantes da equipe econômica sobre meios de financiar o programa social Renda Brasil. O ministro também afirmou que não foi endereçado a ele o "cartão vermelho" citado pelo presidente.

Mais cedo nesta terça-feira (15), Bolsonaro disse que "está proibido" dentro do governo falar do programa Renda Brasil. O programa chegou a ser discutido como um substituto do Bolsa Família.

No entanto, propostas de equipe econômica sobre cortes de gastos noutras áreas para financiar o Renda Brasil não agradaram ao presidente. Bolsonaro disse que o Bolsa Família vai continuar.

O presidente também criticou tentativas de se buscar receitas para o Renda Brasil a partir do congelamento de aposentadorias e pensões.

Em entrevista ao G1, no domingo (13), o secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, disse que essas medidas eram avaliadas pela equipe econômica. Outra alternativa era reduzir o valor do seguro-desemprego.

Bolsonaro chamou as medidas de "devaneio" e disse que daria um "cartão vermelho" a quem lhe apresentasse essas propostas.

Guedes falou sobre a situação em uma videoconferência sobre reformas e o futuro da economia brasileira após a pandemia.

"Hoje [terça-feira] teve essa barulheira toda. Estamos fazendo conexões de pontos que não estão conectados. São estudos que fazemos, estamos assessorando. Várias simulações e estudos são feitos. Tratamento seletivo da informação distorce tudo", afirmou Guedes.

O ministro disse ainda que conversou com o presidente na manhã desta terça-feira.

"Como todos jornais deram isso hoje, que o presidente vai tirar dinheiro dos idosos, frágeis e vulneráveis para passar aos paupérrimos, o presidente repetiu o que tinha dito antes. E levantou um cartão vermelho, que não foi para mim. Conversei com o presidente hoje cedo. Lamentei muito essa interpretação", continuou o ministro.

'Ilação'

Em sua fala, Guedes lembrou que o Renda Brasil aproveitaria a experiência do auxílio emergencial para continuar fazendo pagamentos a pessoas vulneráveis socialmente acima do valor do Bolsa Família. O auxílio, criado para ajudar trabalhadores durante a pandemia, será pago até o fim do ano.

O ministro disse que o governo estuda maneiras de fazer uma "aterrisagem" após o fim do auxílio emergencial. O termo se refere à necessidade de setores mais vulneráveis continuarem recebendo alguma ajuda pública.

Ele defendeu medidas de desindexação, com as quais o governo poderia fazer que benefícios atualmente pagos não sejam corrigidos, por exemplo, pelo salário mínimo.

Para Guedes, a desindexação deveria ser geral e, segundo ele, é uma "ilação" dizer que atingiria somente os benefícios para os mais pobres.

"Se desindexarmos todos os gastos do governo, há uma parte que pega os mais vulneráveis, idosos, BPC [Benefício de Prestação Continuada]. Fala assim: 'O governo está tirando dos idosos e mais frágeis para fazer o Renda Brasil'. Isso é uma ilação. Não é isso que está no pacto federativo [proposta de emenda à Constituição enviada ao Congresso]. Era uma desindexação de todos os gastos , não dos mais pobres", disse o ministro.

O ministro confirmou o fim dos planos de criação do Renda Brasil, relembrando a orientação do presidente Bolsonaro de não retirar dinheiro dos pobres para dar aos paupérrimos.

"Já que continuam dizendo que continuo querendo tirar dinheiro dos pobres, para o Renda Brasil, vou deixar claro: 'Não vou fazer isso'", disse ele, citando Bolsonaro.

"E aí [o presidente] descredenciou a ideia do Renda Brasil. Não vai ter isso. Acabou. Estão distorcendo tudo. Estão acusando o presidente de demagogia, de tirar dinheiro do pobre para dar para o mais pobre ainda. Consolidação de programas sociais já aconteceu no passado. Para os mais desfavorecidos. Começou uma notícia que não é o que está na cabeça, politicamente, do presidente. Se estão interpretando assim, não tem isso", acrescentou o ministro.


Alexandro Martello, G1

Compartilhe       

 




Mais sobre

ECONOMIA | 10/05/2021 16:43 - Há 1 dia, 1 hora e 8 minutos
Pré-sal: Petrobras firma contrato para construção de sétima plataforma

ECONOMIA | 10/05/2021 15:19 - Há 1 dia, 2 horas e 32 minutos
Empresa de pets expande negócios no Nordeste e Norte

ECONOMIA | 10/05/2021 14:26 - Há 1 dia, 3 horas e 25 minutos
Faturamento da indústria volta a crescer em março, segundo CNI

ECONOMIA | 10/05/2021 14:19 - Há 1 dia, 3 horas e 33 minutos
Reforma tributária deve ser fatiada em 3 ou 4 projetos, diz Lira

ECONOMIA | 10/05/2021 13:01 - Há 1 dia, 4 horas e 50 minutos
Menino de 4 anos gasta US$ 3 mil em picolés no cartão de crédito da mãe

ECONOMIA | 10/05/2021 11:01 - Há 1 dia, 6 horas e 50 minutos
Poupança registra resultado positivo após volta do auxílio emergencial

ECONOMIA | 10/05/2021 11:00 - Há 1 dia, 6 horas e 52 minutos
BC lança consulta para permitir saques de recursos no comércio por meio do Pix

ECONOMIA | 10/05/2021 11:00 - Há 1 dia, 6 horas e 52 minutos
ANP: preço médio do etanol sobe em 20 Estados e no DF e cai em 6 na semana

ECONOMIA | 10/05/2021 10:08 - Há 1 dia, 7 horas e 44 minutos
Nordeste registra alta nas vendas pelo e-commerce em março ante fevereiro

ECONOMIA | 09/05/2021 09:46 - Há 2 dias, 8 horas e 5 minutos
Governo libera novo salário mínimo para 2022, 2023 e 2024

ECONOMIA | 09/05/2021 09:25 - Há 2 dias, 8 horas e 27 minutos
Maga-Sena acumula em R$ 27 milhões

ECONOMIA | 08/05/2021 11:00 - Há 3 dias, 6 horas e 52 minutos
Preço da cesta básica teve leve queda em abril

ECONOMIA | 08/05/2021 10:00 - Há 3 dias, 7 horas e 52 minutos
Bares e restaurantes têm crise agravada

ECONOMIA | 07/05/2021 15:01 - Há 4 dias, 2 horas e 50 minutos
Novo presidente da Eletrobras defende capitalização da empresa

ECONOMIA | 07/05/2021 14:49 - Há 4 dias, 3 horas e 2 minutos
Vendas do varejo baiano recuam 0,8% em março

ECONOMIA | 07/05/2021 13:00 - Há 4 dias, 4 horas e 52 minutos
Programa de redução de salários preserva mais de 500 mil empregos

ECONOMIA | 07/05/2021 12:00 - Há 4 dias, 5 horas e 52 minutos
Arábia susupende compra de carne de ave de 11 frigoríficos do Brasil

ECONOMIA | 07/05/2021 09:00 - Há 4 dias, 8 horas e 52 minutos
Quer abrir um negócio on-line? Saiba em quais segmentos apostar

ECONOMIA | 06/05/2021 17:50 - Há 5 dias, 1 minuto
Com auxílio emergencial, poupança volta a captar recursos em abril

ECONOMIA | 06/05/2021 09:20 - Há 5 dias, 8 horas e 31 minutos
Bancos privados lucram mais do que em 2019 e 2020

ECONOMIA | 05/05/2021 20:05 - Há 5 dias, 21 horas e 46 minutos
Mercado Livre tem prejuízo líquido no 1º trimestre de US$ 34 milhões

ECONOMIA | 05/05/2021 19:04 - Há 5 dias, 22 horas e 47 minutos
Dólar cai para R$ 5,36 à espera de aumento na taxa Selic

ECONOMIA | 05/05/2021 17:43 - Há 6 dias, 8 minutos
Governo publica diretrizes do leilão de energia nova A-5

ECONOMIA | 05/05/2021 11:58 - Há 6 dias, 5 horas e 53 minutos
Indústria acumula perda de 3,4% em dois meses de quedas, afirma IBGE

ECONOMIA | 05/05/2021 08:47 - Há 6 dias, 9 horas e 4 minutos
Presidente do Sebrae quer capacitar micro e pequenas empresas no cenário digital

ECONOMIA | 04/05/2021 16:20 - Há 7 dias, 1 hora e 32 minutos
Acumulou! Próximo prêmio da Mega-Sena deve pagar R$ 38 milhões

ECONOMIA | 04/05/2021 15:48 - Há 7 dias, 2 horas e 4 minutos
Reforma tributária tem de "atacar" programas de isenção, afirma Guedes

ECONOMIA | 04/05/2021 14:00 - Há 7 dias, 3 horas e 52 minutos
Para Guedes, País teve desempenho econômico 'bastante razoável' na pandemia

ECONOMIA | 04/05/2021 12:00 - Há 7 dias, 5 horas e 52 minutos
Governo anuncia vetos em projeto de socorro a setor de eventos

ECONOMIA | 04/05/2021 09:35 - Há 7 dias, 8 horas e 16 minutos
Com alta, confiança do empresariado baiano susta trajetória descendente em abril