Guedes diz que governo não usará precatórios para bancar o Renda Cidadã

Na segunda, após reunião com Bolsonaro, vice-líder do governo disse que Renda Cidadã seria financiado com recursos de Fundeb e precatórios. Anúncio provocou efeito na bolsa e no dólar

Tribuna da Bahia, Salvador
30/09/2020 16:47 | Atualizado há 15 dias, 21 horas e 45 minutos

   
Foto: AFP

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (30) que o objetivo do governo, ao examinar o uso de dinheiro destinado ao pagamento de precatórios, não é financiar o novo programa social, batizado de Renda Cidadã, mas manter as despesas sob controle.

Na última segunda-feira, após uma reunião com o presidente Jair Bolsonaro e ministros, o senador Márcio Bittar (MDB-AC), vice-líder do governo e relator da chamada PEC Emergencial, afirmou que a proposta de emenda à Constituição a ser enviada ao Congresso vai prever o financiamento do Renda Cidadã com recursos do Fundeb (fundo da educação básica) e com verbas reservadas no Orçamento para pagamentos de precatórios.

Os precatórios são dívidas do poder público reconhecidas pela Justiça — quando alguém ganha um processo na Justiça contra um ente público e tem valores a receber, passa a ter um precatório e entra na fila do pagamento.

O ministro da Economia disse entender que os precatórios são "dívida líquida e certa" e acrescentou que o governo "vai pagar tudo". Mas acrescentou que é preciso examinar quando há despesas "subindo explosivamente".

"Não para financiar programas, que não é regular, não é uma fonte saudável, limpa, permanente, previsível [de recursos]. Mas é natural, se estamos querendo respeitar teto [de gastos], passar uma lupa em todos os gastos", disse ele.

Guedes informou que deu essas explicações para "baixar o barulho". Nos últimos dias, a possibilidade de limitar o pagamento de precatórios, citada por Bittar, gerou críticas de analistas e resultou na queda da bolsa de valores e aumento no preço do dólar. Após a repercussão negativa do anúncio no mercado financeiro e no meio político, assessores próximos ao presidente passaram a defender uma mudança no programa.

Segundo o ministro, os precatórios se tornaram uma "indústria". "Aparentemente, há uma indústria de precatórios no Brasil, que saíram de R$ 10 bilhões, R$ 12 bilhões, R$ 13 bilhões no governo Dilma para R$ 30 [bilhões] no governo Temer e agora estão chegando a R$ 54 bilhões ano que vem. É um crescimento galopante, explosivo. Estamos examinando com foco no controle de despesas", declarou.

"Vamos examinar e ver o que está acontecendo ali, não para financiar programa A, B, ou C, mas para respeitar o teto, cumprindo todos compromissos. Para baixar o barulho. Governo achou um eixo político, sofreu no primeiro ano, agora está encontrando um eixo político. Acordos estão sendo costurados e Ricardo Barros [líder do governo na Câmara] disse que há consenso em ir avançando no pacto federativo", declarou.

De acordo com o ministro, os estudos da equipe econômica não são para se criar um programa "populista".

"Estamos fazendo nossos estudos, estamos avaliando nossas despesas. Na mesma hora ligaram uma coisa a outra: 'Esse estudo aqui é para fazer um programa populista'. Não é essa relação direta. Da mesma forma que acabamos com privilégios na reforma da Previdência, diminuímos custos excessivos de juros", disse.

O ministro da Economia afirmou que o programa social em gestação representa uma "linha evolucionária" de proteção aos mais pobres. Ele afirmou que o Bolsa Família foi uma junção de três programas sociais e afirmou que o Renda Cidadã, em estudo, pode juntar 27 programas sociais, o que permitiria um "pouso suave, local de aterrissagem para o auxílio emergencial".

"Essa ação é transitória e temos de aterrissar esse auxílio em um programa social robusto, consistente e bem financiado. Como é uma despesa permanente, tem de ser financiado por uma receita permanente. Não pode ser financiado por um puxadinho, por um ajuste. Não é assim que se financia o Renda Brasil. É com receitas permanentes. Não estamos nos desviando dos nossos programas", declarou Guedes.

Segundo analistas, porém, para manter o teto de gastos, o governo terá de cancelar outras despesas permanentes a fim de conseguir viabilizar o novo programa social. A área econômica já propôs acabar com o abono salarial, e estudou congelar o salário dos aposentados por até dois anos, mas essas alternativas foram rejeitadas pelo presidente Jair Bolsonaro.

Desoneração

Guedes voltou a dizer que o governo tem por objetivo desonerar a folha de pagamentos das empresas. Segundo ele, esse é o "mais cruel, mais feio, imundo dos impostos", uma "arma de destruição em massa de empregos".

O ministro declarou que é preciso desonerar a folha "para sempre, e não somente para quem tem lobby em Brasília e por mais um ano apenas".

A área econômica vinha falando sobre um imposto sobre transações digitais a fim de levar esse plano adiante, mas essa proposta ainda não foi formalmente apresentada.

Compartilhe       

 




Mais sobre

ECONOMIA | 14/01/2021 06:30 - Há 1 dia, 8 horas e 3 minutos
ARTIGO: Rui e Wagner fazem opção por Otto em detrimento de Leão

ECONOMIA | 14/01/2021 06:30 - Há 1 dia, 8 horas e 3 minutos
Trabalhadores da Ford fazem protesto no CAB

ECONOMIA | 13/01/2021 22:30 - Há 1 dia, 16 horas e 2 minutos
Mega-Sena acumula e prêmio vai para R$ 13 milhões

ECONOMIA | 13/01/2021 14:30 - Há 2 dias, 3 minutos
IBGE: setor de serviço sobe 2,6% em novembro, sexta alta consecutiva

ECONOMIA | 13/01/2021 11:30 - Há 2 dias, 3 horas e 3 minutos
Mega-Sena acumulada sorteia nesta quarta-feira prêmio de R$ 12 milhões

ECONOMIA | 13/01/2021 10:39 - Há 2 dias, 3 horas e 54 minutos
Produtores baianos entram na reta final do plantio do algodão

ECONOMIA | 13/01/2021 10:30 - Há 2 dias, 4 horas e 3 minutos
O impacto na economia após o fim do auxílio emergencial e dos benefícios às empresas

ECONOMIA | 13/01/2021 10:30 - Há 2 dias, 4 horas e 3 minutos
Rui anuncia nomeação de provados no concurso para auditor fiscal da Sefaz-BA

ECONOMIA | 13/01/2021 08:06 - Há 2 dias, 6 horas e 27 minutos
Planos de saúde criam alternativas para consumidor manter benefício

ECONOMIA | 13/01/2021 07:57 - Há 2 dias, 6 horas e 35 minutos
Contribuinte pode parcelar IPVA inscrito em dívida ativa

ECONOMIA | 13/01/2021 06:30 - Há 2 dias, 8 horas e 3 minutos
Baianos estão solicitando mais crédito para investir em negócio próprio do que para pagar dívidas

ECONOMIA | 13/01/2021 06:30 - Há 2 dias, 8 horas e 3 minutos
Preço da gasolina nos estados do Nordeste chega a variar 6,5%

ECONOMIA | 13/01/2021 06:30 - Há 2 dias, 8 horas e 3 minutos
Senadores baianos criticam decisão da Ford

ECONOMIA | 13/01/2021 06:30 - Há 2 dias, 8 horas e 3 minutos
Quatro montadoras chinesas são candidatas a comprar fábrica da Ford em Camaçari

ECONOMIA | 13/01/2021 06:30 - Há 2 dias, 8 horas e 3 minutos
'Faltou à Ford dizer a verdade: eles querem subsídios', afirma Bolsonaro

ECONOMIA | 13/01/2021 06:30 - Há 2 dias, 8 horas e 3 minutos
Saída da Ford: Especialistas falam dos impactos na economia da Bahia

ECONOMIA | 12/01/2021 19:00 - Há 2 dias, 19 horas e 33 minutos
BNDES define consórcio que apoiará programa de aceleração de startups

ECONOMIA | 12/01/2021 18:07 - Há 2 dias, 20 horas e 26 minutos
Rui comanda reunião para viabilizar nova montadora

ECONOMIA | 12/01/2021 17:52 - Há 2 dias, 20 horas e 40 minutos
Sindicato dos Metalúrgicos quer que a Ford reverta demissões

ECONOMIA | 12/01/2021 12:39 - Há 3 dias, 1 hora e 54 minutos
Rui Costa convida trabalhadores da Ford para participar de grupo de trabalho

ECONOMIA | 12/01/2021 12:00 - Há 3 dias, 2 horas e 33 minutos
Banco24Horas registra aumento no uso do dinheiro durante a pandemia

ECONOMIA | 12/01/2021 11:46 - Há 3 dias, 2 horas e 47 minutos
Inflação oficial tem alta de 4,52% em 2020, diz IBGE

ECONOMIA | 12/01/2021 11:41 - Há 3 dias, 2 horas e 51 minutos
Trabalhadores da Ford protestam contra fechamento de fábrica em Camaçari

ECONOMIA | 12/01/2021 10:00 - Há 3 dias, 4 horas e 33 minutos
Banco do Nordeste capta recursos para linha de crédito dedicada a mulheres

ECONOMIA | 12/01/2021 06:30 - Há 3 dias, 8 horas e 3 minutos
Políticos baianos lamentam fechamento de montadora

ECONOMIA | 12/01/2021 06:30 - Há 3 dias, 8 horas e 3 minutos
Gestores buscam alternativas para fechamento da Ford na Bahia

ECONOMIA | 12/01/2021 06:30 - Há 3 dias, 8 horas e 3 minutos
Salvador foi a capital que teve a maior variação da cesta básica em 2020

ECONOMIA | 12/01/2021 06:30 - Há 3 dias, 8 horas e 3 minutos
Feijão com arroz é cardápio de luxo

ECONOMIA | 11/01/2021 20:30 - Há 3 dias, 18 horas e 3 minutos
Rui anuncia criação de grupo de trabalho para atrair montadora para a BA

ECONOMIA | 11/01/2021 18:06 - Há 3 dias, 20 horas e 27 minutos
Ford anuncia fim da produção de veículos no Brasil; fábrica de Camaçari será fechada