Brasil quer modernizar Mercosul, diz secretário de Comércio Exterior

"É preciso promover a rede brasileira de acordos", disse.

Tribuna da Bahia, Salvador
28/04/2021 15:43 | Atualizado há 10 dias, 7 horas e 20 minutos

   
Foto: Marcello Casal JrAgência Brasil

O Brasil tem feito esforços para reformar e modernizar o Mercosul de forma que os membros possam se beneficiar de maior integração e de maneira competitiva na economia global, disse hoje o secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais, do Ministério da Economia, Roberto Fendt Júnior.

O secretário participou hoje (28) da abertura do 12º Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços (Enaserv 2021) realizado pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), em parceria com o Ministério da Economia. O tema de sua palestra foi a importância dos serviços na expansão do comércio exterior brasileiro e na adesão à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Burocracia

Segundo Fendt Júnior, após avaliação de custo e benefício do Ministério da Economia para reduzir a burocratização do setor, foi tomada a decisão de desligamento definitivo do Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços Intangíveis e de outras operações, que exigiam a prestação de informações pelos operadores privados.

A medida se insere no amplo processo de desburocratização, facilitação e melhoria do ambiente de negócios promovido pelo governo federal.

“Frise-se também que a medida não prejudicou a captação de dados para efeito de desenho de políticas públicas, divulgação estatística baseada em padrões internacionais e fiscalização tributária, tendo em vista a existência de informações já apresentadas ao governo federal por meio de contratos de câmbio e de outras obrigações tributárias acessórias. A ideia foi simplesmente tirar das costas das empresas o fato de fazer duas vezes o preenchimento de inúmeros formulários cujas informações, que já estavam disponíveis ao governo”, concluiu.

De acordo com o secretário, a inserção dos serviços em regimes de processamento para exportação e os acordos para evitar a dupla tributação são uma das linhas relacionadas ao incremento de produtividade dos produtos e serviços brasileiros no exterior, que a secretaria vem atuando para fazer frente a crescente vinculação entre o setor de serviços e os demais segmentos produtivos.

Ele considera que é preciso promover a rede brasileira de acordos com melhoria qualitativa das cláusulas a serem negociadas, incluindo mercados estratégicos em termos de comércio exterior e de investimentos, em especial, Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

“O Brasil mantém atualmente uma rede de acordos para evitar a bitributação com 33 países. Embora contemple alguns parceiros comerciais de economias relevantes como França, Itália, Japão e México, a mencionada rede ainda não inclui ainda acordos com Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha, importantes destinos ou origens de investimentos do comércio envolvendo o Brasil. Atualmente estruturada, a rede brasileira desses acordos, cobre o equivalente a 60% das exportações brasileiras e 55% das importações.”

Pandemia

O secretário destacou que o ano de 2020 foi marcado pelos efeitos da pandemia sobre a economia e comércio internacional, causando impactos tanto na oferta, como na demanda mundial.

A estimativa é de que o PIB global (Produto Interno Bruto - a soma de todos os bens e serviços finais produzidos por um país, estado ou cidade) tenha caído 3,3% no ano, segundo o FMI.

Os dados da Organização Mundial do Comércio (OMC) mostram que o comércio internacional de bens caiu 7% em valor. As exportações mundiais de serviços diminuíram 20%. Os serviços de viagens, item relevante da pauta, caíram 63%.

Para o secretário, isso ocorreu em consequência de lockdowns, com restrições à movimentação de pessoas e queda na renda de consumidores, que afetaram drasticamente o transporte de pessoas e mercadorias entre países e a prestação de serviços.

De acordo com Fendt, nesse contexto, as receitas externas brasileiras de serviços apresentaram redução de 17% para U$ 28,5 bilhões de 2019 para 2020. As despesas brasileiras com a aquisição de serviços apresentaram redução de 30,2% para um total de U$ 48,4 bilhões em 2020.

“No ano foram registrados os menores valores para comércio exterior de serviços desde 2009, ano também de crise internacional. Tanto nas receitas como nas despesas a principal redução foi em viagens com queda de U$3 bilhões equivalente a 49,2% e U$ 12 bilhões equivalente 63,3% respectivamente”, informou.

Política comercial

Com relação à política comercial, o secretário disse que o governo federal está empenhado em aumentar a inserção do Brasil na economia internacional. Do ponto de vista de serviços, a visão se traduz em uma série de medidas, como o engajamento do executivo na negociação de capítulos de acordos comerciais de serviços, seguindo as melhores práticas internacionais

“O resultado, acreditamos, será mais segurança jurídica, mais previsibilidade, mais acesso efetivo dos prestadores de serviços brasileiros no exterior e estrangeiros no Brasil. Entre os países que estamos negociando compromisso estão a União Europeia, a EFTA [Associação Europeia de Comércio Livre], Canadá e Coreia”, destacou,

Segundo ele, os compromissos assumidos nos acordos celebrados e em negociação têm potencial de melhorar o acesso do Brasil a serviços de alta qualidade a valores mais baixos, com impactos positivos nas cadeias adjacentes

Segundo o secretário, atualmente o valor adicionado dos serviços representa entre 25% e 40% no conteúdo das exportações na maioria das economias da OCDE e do G20. No Brasil, o percentual gira em torno de 38%, conforme levantamento da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da Organização Mundial do Comércio (OMC).

O secretário destacou ainda que para alguns países - não para o Brasil - a participação estrangeira no valor adicionado aos serviços já supera a participação doméstica. De acordo com ele, o uso crescente de serviços estrangeiros como insumos nas exportações, substituindo serviços e insumos domésticos, leva as cadeias de valor dos serviços a se tornarem cada vez mais internacionais.

Outro aspecto importante que vem sendo estudado, conforme apontou, é a perda de participação da indústria no Produto Interno Bruto (PIB, a soma de todos os bens e serviços finais produzidos por um país, estado ou cidade) em relação ao setor de serviços, que no caso do Brasil o processo vem se mostrando cada vez mais acentuado.

“Obviamente estamos atentos ao fenômeno, mas o fato é que a revitalização da indústria brasileira passa necessariamente pelo setor de serviços, que tem a capacidade de promover soluções inovadoras para ampliar a competitividade da indústria brasileira. Podemos exportar mais serviços conjugados com a produção industrial, assim como também fazemos por meio da nossa produção agropecuária.”

Segundo o secretário, os serviços também desempenham papel fundamental na geração de empregos, uma vez que na maioria das economias do mundo é, "de longe", o setor mais empregador.

“No Brasil, segundo os dados do Caged, até março de 2021, o setor de serviços tem liderado a criação de empregos formais. Tem liderado atividades como informação, comunicação, financeiras, mobiliárias, comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas e construção civil”, disse.

Pauta diversificada

O presidente-executivo da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, defendeu que o encontro tem uma pauta diversificada para o desenvolvimento do setor e, por isso, nesta edição adotou como um dos temas a tecnologia do comércio exterior de serviços, que precisa evoluir. “A participação nossa no comércio mundial de serviços é de apenas 0,46%. É muito pequena, se considerarmos que o Brasil hoje é o 12º PIB do mundo. Tem muito espaço para crescer ainda”, afirmou.

O presidente da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos – Apex-Brasil, Sérgio Ricardo Segovia Barbosa, afirmou que atualmente a instituição apoia cerca de 400 empresas nacionais nos seus projetos setoriais, visando o desenvolvimento de negócios globais para o setor de serviços. “Com resultados promissores de mais de U$ 600 milhões na exportação de serviços”, ressaltou.

Na visão do presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), José Roberto Tadros, a evolução da atividade empresarial face ao desenvolvimento tecnológico está permitindo o avanço do setor de serviços. “Agora é o momento e a hora digital, que incrementam as relações comerciais de forma rápida e estimula a redução da burocracia, facilitando a integração comercial entre os povos”, disse.

Para o diretor-presidente do Sebrae, Carlos Melles, dentro do setor de serviços há um desafio fundamental que se relaciona às micro e pequenas empresas. “Somos 99% das empresas do Brasil e no processo de encadeamento, muito da exportação, sobretudo, de manufaturados é feita pela micro e pequena empresa. Ela também exporta, mas é a cadeia da esteira da promoção e da cadeia de exportação. Hoje, somos mais de 55% dos empregos com carteiras gerados no Brasil”, indicou para mostrar a relevância das micro e pequenas empresas na economia nacional."

Fonte: Agência Brasil.

Compartilhe       

 




Mais sobre

ECONOMIA | 06/05/2021 09:20 - Há 2 dias, 13 horas e 43 minutos
Bancos privados lucram mais do que em 2019 e 2020

ECONOMIA | 05/05/2021 20:05 - Há 3 dias, 2 horas e 58 minutos
Mercado Livre tem prejuízo líquido no 1º trimestre de US$ 34 milhões

ECONOMIA | 05/05/2021 19:04 - Há 3 dias, 3 horas e 59 minutos
Dólar cai para R$ 5,36 à espera de aumento na taxa Selic

ECONOMIA | 05/05/2021 17:43 - Há 3 dias, 5 horas e 20 minutos
Governo publica diretrizes do leilão de energia nova A-5

ECONOMIA | 05/05/2021 11:58 - Há 3 dias, 11 horas e 5 minutos
Indústria acumula perda de 3,4% em dois meses de quedas, afirma IBGE

ECONOMIA | 05/05/2021 08:47 - Há 3 dias, 14 horas e 16 minutos
Presidente do Sebrae quer capacitar micro e pequenas empresas no cenário digital

ECONOMIA | 04/05/2021 16:20 - Há 4 dias, 6 horas e 43 minutos
Acumulou! Próximo prêmio da Mega-Sena deve pagar R$ 38 milhões

ECONOMIA | 04/05/2021 15:48 - Há 4 dias, 7 horas e 16 minutos
Reforma tributária tem de "atacar" programas de isenção, afirma Guedes

ECONOMIA | 04/05/2021 14:00 - Há 4 dias, 9 horas e 4 minutos
Para Guedes, País teve desempenho econômico 'bastante razoável' na pandemia

ECONOMIA | 04/05/2021 12:00 - Há 4 dias, 11 horas e 4 minutos
Governo anuncia vetos em projeto de socorro a setor de eventos

ECONOMIA | 04/05/2021 09:35 - Há 4 dias, 13 horas e 28 minutos
Com alta, confiança do empresariado baiano susta trajetória descendente em abril

ECONOMIA | 03/05/2021 17:34 - Há 5 dias, 5 horas e 29 minutos
Exportação de soja do Brasil atinge recorde de 17,38 mi t em abril

ECONOMIA | 03/05/2021 15:17 - Há 5 dias, 7 horas e 46 minutos
Brasil não renovará pacto de transporte naval com Argentina e Uruguai

ECONOMIA | 02/05/2021 18:30 - Há 6 dias, 4 horas e 34 minutos
Maior leilão da história trará o 5G ao Brasil

ECONOMIA | 02/05/2021 18:30 - Há 6 dias, 4 horas e 34 minutos
Bancos não cobram tarifa sobre limite do cheque especial desde abril de 2020

ECONOMIA | 02/05/2021 14:33 - Há 6 dias, 8 horas e 30 minutos
Confira vagas de emprego disponíveis no Sine Bahia nesta segunda-feira

ECONOMIA | 02/05/2021 09:52 - Há 6 dias, 13 horas e 11 minutos
Conta de luz terá bandeira vermelha e ficará mais cara em maio

ECONOMIA | 01/05/2021 10:29 - Há 7 dias, 12 horas e 34 minutos
Economista prevê queda do desemprego com aumento da vacinação

ECONOMIA | 01/05/2021 10:25 - Há 7 dias, 12 horas e 38 minutos
Gastos em condomínios aumentam mais de 20% em 1 ano de pandemia

ECONOMIA | 01/05/2021 10:12 - Há 7 dias, 12 horas e 51 minutos
Gasolina e diesel ficam mais baratos hoje nas refinarias

ECONOMIA | 01/05/2021 08:53 - Há 7 dias, 14 horas e 10 minutos
Trabalho em home office tende a continuar após fim da pandemia

ECONOMIA | 01/05/2021 08:47 - Há 7 dias, 14 horas e 16 minutos
Setur faz vistoria para verificar execução das obras do Prodetur

ECONOMIA | 01/05/2021 08:43 - Há 7 dias, 14 horas e 21 minutos
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 38 milhões

ECONOMIA | 30/04/2021 16:00 - Há 8 dias, 7 horas e 4 minutos
Confira funcionamento do comércio para dias do Trabalho e das Mães

ECONOMIA | 30/04/2021 14:04 - Há 8 dias, 8 horas e 59 minutos
Confiança da indústria cresce em 18 setores

ECONOMIA | 30/04/2021 13:00 - Há 8 dias, 10 horas e 4 minutos
Petrobras reduz preços do diesel e da gasolina nas refinarias

ECONOMIA | 30/04/2021 09:12 - Há 8 dias, 13 horas e 51 minutos
Inscritos no Bolsa Família com NIS final 0 recebem auxílio emergencial

ECONOMIA | 29/04/2021 18:15 - Há 9 dias, 4 horas e 49 minutos
Paulo Guedes diz que Fies foi um "desastre"

ECONOMIA | 29/04/2021 16:56 - Há 9 dias, 6 horas e 7 minutos
Saque do auxílio emergencial 2021 começa nesta sexta (30); confira as regras

ECONOMIA | 29/04/2021 16:15 - Há 9 dias, 6 horas e 48 minutos
Câmara aprova medida sobre renegociação de dívidas de empresas