Ministério anuncia meta de eliminar hepatite C até 2030

A estratégia prevê a redução das etapas para o diagnóstico da doença e a ampliação da testagem em grupos considerados prioritários


Tribuna da Bahia, Salvador
06/07/2018 06:30 | Atualizado há 9 dias, 9 horas e 43 minutos

   
Foto: Divulgação

Em meio às queixas de associações sobre falta de medicamentos para atender novos pacientes, o Ministério da Saúde anunciou ontem (5), o lançamento de um plano para eliminar a hepatite C até 2030. A estratégia prevê a redução das etapas para o diagnóstico da doença e a ampliação da testagem em grupos considerados prioritários (como pessoas vivendo com HIV/aids, pacientes que fazem diálise, usuários de drogas e bebês de mães que têm hepatite C).

A previsão é atender 50 mil pacientes por ano até 2024 a partir do ano que vem. Este ano, seriam entregues tratamentos para 19 mil pacientes. O quantitativo para 2018 agora anunciado pelo ministério, no entanto, é bem menor do que havia sido divulgado em 2017. No ano passado, a pasta já havia firmado o compromisso de ofertar pelo menos 50 mil tratamentos anuais, começando em 2018.

Números

Segundo reportagem da Agência Brasil, no ano passado, foram identificados 24.460 pacientes com hepatite C. No ano anterior, foram confirmados 28.397 casos. A queda é atribuída à melhora na qualidade de banco de dados. A doença é mais comum em pessoas com mais de 40 anos e pode provocar cirrose e câncer.

A taxa de transmissão de casos de hepatite A dobrou em 2017, quando comparada a 2016. No ano passado, foram 2.086 casos. Também em 2017, o Brasil registrou 13.482 casos de hepatite B, menos do que os 14.702 comunicados em 2016. 

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas