Raio Laser - 12/7 - Prioridades

Segundo o deputado federal Elmar Nascimento, dos 44 parlamentares, menos de cinco estariam defendendo a candidatura de Bolsonaro na sigla


Tribuna da Bahia, Salvador
12/07/2018 08:55 | Atualizado há 3 dias, 8 horas e 12 minutos

   
Foto: Reprodução

A ideia de que o DEM pode vir eventualmente a apoiar o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL) porque parte significativa de sua bancada na Câmara Federal estaria inclinada neste sentido não faz o menor sentido. É o que diz à coluna o deputado federal Elmar Nascimento. Segundo ele, dos 44 parlamentares, menos de cinco estariam defendendo a candidatura de Bolsonaro na sigla. Aliás, para Elmar, o DEM na verdade vai priorizar a eleição de seus deputados para poder influir no Congresso no governo do novo presidente e, inclusive, reeleger Rodrigo Maia (RJ) presidente da Câmara dos Deputados. A proposta conta com o apoio do presidente nacional da agremiação, ACM Neto.

Agerba

O episódio entre a Coelba e a Caixa, responsável por deixar milhares de baianos pobres, muitos deles idosos, em filas quilométricas, para poder pagar as contas de luz, levou deputados de oposição a questionarem ontem o papel da Agerba, agência criada com o objetivo de fiscalizar serviços prestados à população por concessionárias como a fornecedora de energia.

Birra

Aliás, no PSB, partido da senadora Lídice da Mata, houve quem lembrasse rapidamente que a Agerba é controlada há anos nos governos petistas pelo senador Otto Alencar, em mais uma demonstração de que a birra entre os dois, por conta do episódio da exclusão dela da chapa da reeleição, atribuída ao presidente do PSD, parece definitivamente longe do fim.

Previsões

Um petista de escol, como se diz, ouviu há mais de um ano do ex-governador Jaques Wagner, numa conversa informal em que não se encontravam só políticos, que não havia plano B para o ex-presidente Lula, num momento onde ele ainda não tinha sido preso, e que a senadora Lídice da Mata (PSB) dificilmente seria candidata à reeleição na chapa de Rui Costa. Hoje, o mesmo petista conclui que Wagner errou em relação a Lula, mas acertou sobre Lídice.

Político-partidária

O secretário municipal de Educação, Carlos Barral, qualificou como "política-partidária" a greve dos professores municipais iniciada ontem, lembrando que a Prefeitura nunca se negou a debater as questões com os representantes da categoria e muito menos a concordar com as demandas que considerava justas apresentadas nas diversas mesas de negociação. 

Articulação

A informação de que os deputados federais Paulo Azi e Elmar Nascimento, do DEM, passaram a trabalhar na oposição pela indicação do deputado federal Irmão Lázaro à vice do pré-candidato a governador José Ronaldo (DEM), atendendo a apelo do deputado Angelo Coronel (PSD), pré-candidato a senador na chapa do governador Rui Costa (PT), reforçou a ideia de que o deputado do PSC pode acabar realmente sendo levado a aceitar a posição na chapa democrata. 


Leia a Coluna completa na edição impressa do jornal ou na Tribuna Virtual (clicando na capa do jornal que está na home do site).  

Compartilhe       

 





 

Notícias Relacionadas